Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

26 de setembro de 2011

4º Trimestre 2011 - Lição 1 – Quando a Crise Mostra a sua Face

2 de outubro de 2011

Texto Áureo

E disseram-me: Os restantes, que não foram levados para o cativeiro, lá na província estão em grande miséria e desprezo, e o muro de Jerusalém, fendido, e as suas portas, queimadas a fogo" (Ne 1.3). – Uma cidade sem muros estava desprovida de segurança e culturalmente, numa região onde o estado dos muros da cidade era visto como um indício da força dos deuses dos moradores, o estado do muro de Jerusalém era motivo de desprezo dos povos vizinhos pelo Deus de Israel. Neemias igualou o estado do muro ao estado da obediência do povo ao Senhor. Ele entristeceu-se, chorou e lamentou, na verdade, pela reputação de Deus.

Verdade Prática

Somente uma liderança guiada e orientada por Deus pode vencer a crise.

Leitura Bíblica em Classe
Neemias 1.1-7

Objetivos

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
- Reconhecer que em tempos de crises Deus dá o escape;
- Compreender a chamada de Neemias; e
- Saber que devemos orar em tempos de crise.

Palavra-chave
CRISE -
Momento perigoso ou decisivo

Comentário

(I. Introdução)

Iniciamos o último trimestre de 2011 com o tema geral ‘Neemias, integridade e coragem em tempos de crise’, com treze lições voltadas à teologia prática e aplicação imediata no cotidiano da Igreja hoje. Neemias expressa o lado prático, a vivência diária da nossa fé em Deus, com ênfase na necessidade de uma liderança comprometida com os valores do Reino de Deus.

O cenário é a cidade de Susã, antiga capital de inverno dos soberanos persas, localizada na região sudoeste do atual Irã; o ano era 446 a.C., o ano vigésimo de Artaxerxes I, o mês era Quisleu (novembro/dezembro), próximo ao inverno, Neemias (נְחֶמְיָה, Nəḥemya, ‘conforto de /confortado por YHWH’) inicia sua saga e torna-se figura importante na história pós-exilo dos judeus. Nesta lição veremos a biografia deste servo de YHWH e os motivos que o levaram a preocupar-se extremamente com o bem-estar dos seus parentes e compatriotas. Ele baseou suas petições nas grandes promessas de Deus, chorou, jejuou e orou ao Senhor certo da fidelidade de Deus em cumprir a sua palavra. Pediu que Deus estivesse com ele diante do rei da Pérsia, e quando teve esta oportunidade, intercedeu pelo povo de Deus com sabedoria e ousadia. Boa Aula!

(II. Desenvolvimento)

I. A CRISE EM JERUSALÉM

1. Antecedentes históricos. Após a morte de Salomão em 931 a.C, as dez tribos do norte se separaram, criando o reino de Israel ou do Norte, que era geograficamente maior e mais rico que o reino do Sul ou de Judá. Politicamente era instável, ao contrário de Judá, que continuou governado pela casa de Davi. Seu primeiro rei foi Jeroboão I, e se prolongou até 722 a.C., quando foi conquistado pelos Assírios, os quais eram particularmente cruéis em suas campanhas e tinham por costume levar os homens mais importantes da cidade derrotada para as portas a fim de serem torturados, cegos e queimados vivos. Os escribas contavam o número de mortos pelas cabeças cortadas que recebiam para controle. Já o reino de Judá (ou do Sul) teve como primeiro soberano após a morte de Salomão, seu filho Roboão, e prolongou-se até a conquista pelo soberano babilônico Nabucodonosor (Nabu-cudurri-utsur), em 587 a.C. Seu exército invade o Reino de Judá, tomando as cidades fortificadas de Azeca e Láquiz. Depois, inicia o cerco final de um ano e meio a Jerusalém. A cidade de Jerusalém e seu Templo são destruídos, restando apenas ruínas fumegantes, leva em cativeiro um grande número de seus habitantes, episódio conhecido como a primeira Diáspora Judaica ou o ‘cativeiro babilônico’ (2Rs 25; Dn 1) [1]; [2]. A primeira deportação teve início em 598 a.C. Jerusalém é sitiada e o jovem Joaquim, rei de Judá, rende-se voluntariamente. O Templo de Jerusalém é parcialmente saqueado e uma grande parte da nobreza, os oficiais militares e artífices, inclusive o rei, são levados para o exílio em Babilônia. Zedequias, tio do rei Joaquim, é nomeado por Nabucodonosor II como rei vassalo. Precisamente 11 anos depois, em resultado de nova revolta no reino de Judá, ocorre a segunda deportação em 587 a.C., e a conseqüente destruição de Jerusalém e seu Templo. Governando os poucos judeus remanescentes na terra de Judá - os mais pobres – ficou Gedalias nomeado por Nabucodonosor II. Dois meses depois, Gedalias é assassinado e os poucos habitantes que restavam fogem para o Egito com medo de represálias, deixando a terra de Judá efetivamente sem habitantes e suas cidades em ruínas. É certo que o período de cativeiro terminou no primeiro ano de reinado de Ciro II (538 a.C./537 a.C.) após a conquista persa da cidade de Babilônia (539 a.C.). Em conseqüência do édito de Ciro, os judeus exilados foram autorizados a regressar à terra de Judá, em particular a Jerusalém, para reconstruir o Templo[3].

2. Deus dá o escape. Em 539 a.C. Ciro conquistou a Babilônia e formou um império ainda maior, pois derrotou medos, lídios e babilônicos. Ciro tratou com liberdade os povos vencidos, respeitando suas crenças e governando com justiça. Aos judeus que viviam no Cativeiro de Babilônia foi permitido que voltassem a Canaã para a reconstrução do Templo de Jerusalém. Os registros bíblicos informam que Ciro teria recebido uma mensagem divina que o ordenava a enviar de volta à Palestina todos os Judeus cativos naquela cidade. De qualquer forma, foi o autor do édito que em 537 a.C. que dizia que todo judeu que assim o desejasse poderia retornar para Jerusalém a fim de reconstruir o templo e a cidade, pondo fim ao período do Cativeiro Babilônico. A maior lição aqui é que uma intercessão intensa tem sua origem na consciência da soberania de Deus, que age de acordo com as suas promessas quando alguém confessa o pecado com verdadeiro pesar e se coloca completamente à disposição da misericórdia de Deus[4].

3. A volta com Zorobabel. Quando o persa Ciro conquistou a Babilônia em 539 a.C., o caminho estava aberto para o Judá cativo começar o retorno para a sua pátria. Duas importantes expedições fizeram o caminho de volta, uma em 537 a.C. e outra em 458 a.C. Um grupo de fiéis respondeu ao édito de Ciro e partiu em 538 a.C. sob a liderança de Zorobabel, os quais iniciam a construção do templo como apoio do funcionário Esdras e dos profetas Zacarias e Ageu, porém, encontram forte resistência dos habitantes não judeus, o que desencoraja o povo, e a obra é interrompida durante um período de mais de dez anos. Ageu os encorajou com a mensagem de Deus, de que a glória deste templo ultrapassaria a do anterior. A parte mais importante do santuário é a presença de Deus. Aproximadamente 500 anos mais tarde, Jesus Cristo caminharia pelos átrios do templo! “Quem há entre vós, dos sobreviventes, que viu esta casa na sua primeira glória? Em que estado a vedes agora? Não é como nada em vossos olhos? Ora, pois, esforça-te, Zorobabel, diz o Senhor, e esforça-te, sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque, e esforçai-vos, todo o povo da terra, diz o Senhor, e trabalhai; porque eu sou convosco, diz o Senhor dos exércitos” (Ag 2.3,4). Em homenagem ao líder que organizou este retorno e o início da reconstrução, o templo restaurado ficou historicamente conhecido como o Templo de Zorobabel. O alicerce foi colocado com uma cerimônia solene e, nessa ocasião, as pessoas mais velhas que sobreviveram e lembravam-se do antigo templo choraram de alegria. (Ed 3.12,13). A despeito das formalidades legais (Ed 4.4–24) e outros obstáculos, o trabalho continuou e depois de voltarem do cativeiro, os judeus estavam com o templo pronto para a dedicação. O Templo de Zorobabel foi terminado, exatamente no terceiro dia do mês de Adar, no sexto ano do reinado de Dario. A cerimônia dedicatória foi realizada em seguida. (Ed 6.15–22). No que se refere à riqueza do acabamento e da mobília, esse templo foi bem inferior ao Templo de Salomão.

Sinopse do Tópico (1)

Através do rei Ciro, o Senhor proporcionou o escape ao povo judeu, trazendo Zorobabel a Jerusalém para reconstruí-la.

RESPONDA

1. Em que ano o reino do sul foi levado cativo à Babilônia?

2. Quanto tempo o povo permaneceu no cativeiro?

II. O CHAMADO DE NEEMIAS

1. Quem era Neemias. Neemias (נְחֶמְיָה, Nəḥemya, ‘conforto de/ confortado por’) YHWH), era filho de Hacalias (Ne 2.3), nasceu em Susã, Pérsia, por volta de 480 a.C. era um israelita nascido na Pérsia e provavelmente pertencia à Tribo de Judá (Ne 2.3). Na corte persa exerceu a função de copeiro do rei (maxeqeh, um cargo de confiança do rei), era o responsável pela seleção do vinho. Devia prová-lo para estar seguro de que não estava envenenado, servi-lo e ainda ser uma companhia à altura do rei. Nesta última função, devia com freqüência, oferecer conselhos informais e apreciar as confidências do rei (Ne 1.11; veja Gn 40.21). Serviu na corte do rei Artaxerxes I (465 a 424 a.C.), filho de Assuero ou Xerxes I, marido da rainha Ester[5].

2. Chamado por Deus. Hanani fez a viagem de 1.600 quilômetros de Jerusalém a Susã para visitar seu irmão, Neemias. Hanani disse que o povo de Jerusalém encontrava-se numa situação precária e insegura, sujeito às agressões dos povos que controlavam as regiões adjacentes à cidade. (Ne 1.2; 2.3), Neemias ouviu sobre a condição lamentável de Jerusalém, e encheu-se de tristeza; por muitos dias ficou em jejum, em luto, orando pelo local do sepulcro de seus pais. Finalmente, o rei percebeu a tristeza em sua expressão, e perguntou-lhe o seu motivo; Neemias explicou-o ao rei, que lhe concedeu permissão de ir à cidade e agir lá como um ‘tirshatha’, ou governador (no hebraico pehah), por um tempo limitado da Judéia (Ne 2.6,9; 3.7). Quando o rei ofereceu ajuda, Neemias orou a Deus e fez seus pedidos ao rei:

a) Licença para ir a Jerusalém para reedificar a cidade;

b) Cartas para assegurar sua passagem pelas províncias no caminho, e

c) Autorização para o uso de madeiras da floresta na construção.

Pela bondade de Deus, Neemias recebe, do rei Artaxerxes I, a missão de:

a) fortalecer a comunidade de Jerusalém e prepará-la para reconstrução;

b) reorganizar o povo - assentá-lo na terra e na cidade;

c) disciplinar o povo sob a Torá, e

e) detectar abusos na administração política, na prática religiosa; na economia.

3. Orando em tempos de crise. O seu sofrimento pela situação de Jerusalém leva Neemias a jejuar e orar; extremamente preocupado com o bem-estar dos seus parentes e compatriotas, ele chorou, jejuou e orou ao Senhor (Ne 1.4). Ele baseou suas petições nas grandes promessas de Deus, certo da fidelidade de Deus em cumprir a sua palavra. Pediu que Deus estivesse com ele diante do rei da Pérsia. O Rev. Hernandes Dias Lopes em seu artigo ‘Neemias, um líder que mudou a história de uma nação’, afirma: ‘Quando soube que a cidade de Jerusalém estava assolada por grande miséria e o seu povo vivendo debaixo de opróbrio, Neemias chorou, orou, jejuou, mas também se dispôs a agir e ao agir, fê-lo com refinada sabedoria. Ele falou com Deus e com o rei da Pérsia. Ele buscou os recursos do céu e os tesouros da terra. Precisamos de líderes piedosos e de líderes sábios, líderes íntegros e também de líderes relevantes. Homens que tenham intimidade com os céus e sabedoria para lidar com os intrincados problemas da terra [...] Neemias foi um homem de oração e de ação. Ele orava e agia. Ele confiava em Deus e trabalhava. Ele orou ao saber do problema de Jerusalém. Ele orou ao falar com o rei Artaxerxes. Ele orou diante dos ataques do inimigo. A oração era a atmosfera em que realizava sua obra. Ele entendia que a obra de Deus precisava ser feita na força de Deus, de acordo com a vontade de Deus e para a glória de Deus. Neemias acreditava que Deus é quem abre as portas, provê os recursos, desperta o povo, livra do inimigo e dá a vitória. A intensa agenda de oração de Neemias, entretanto, não fez dele um líder contemplativo, mas um homem dinânimo, um gestor competente, um estadista que reergueu sua cidade dos escombros.[6].

Sinopse do Tópico (2)

Neemias foi chamado por Deus para deixar o conforto palaciano a fim de reconstruir os muros de Jerusalém.

RESPONDA

3. Cite o nome do rei que permitiu a volta dos judeus a Jerusalém para reconstruir o Templo e os muros.

4. Faça um pequeno resumo a respeito de Neemias.

III. A INTERSEÇÃO DE NEEMIAS

1. Ele adorou a Deus. Neemias fez uma oração teocêntrica, referindo-se a Deus 34 vezes por meio de um nome ou um pronome. Essa oração clássica inclui adoração, confissão, lembrança do compromisso de Deus com seu povo e petição. Naquela época, uma cidade sem muros não possuía segurança e culturalmente, numa região onde o estado dos muros da cidade era visto como um indício da força dos deuses dos moradores, o estado do muro de Jerusalém era motivo de desprezo dos povos vizinhos pelo Deus de Israel. Neemias igualou o estado do muro ao estado da obediência do povo ao Senhor. Ele entristeceu-se, chorou e lamentou, na verdade, pela reputação de Deus.

2. Ele intercedeu por seu povo (Ne 1.6). "Feliz a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo que ele escolheu para sua herança" (Sl 33.12). Cada vez é mais visível o afastamento das pessoas em relação a Deus, temos deixado-O de fora de todas as leis e decisões tomadas a nível político. Nossa nação passou a ter orgulho em rejeitar Deus, em esquecê-lo, em negá-lo. Com Neemias aprendemos que não existe transformação sem intercessão. Se a transformação é o resultado de uma visitação de Deus, a intercessão tem um papel fundamental. Como aconteceu no ministério de Neemias, a visitação de Deus acontece em situações desesperadoras quando o povo de Deus chega à conclusão que humanamente fizeram de tudo e nada aconteceu, e só Deus poderá atuar para mudar o quadro. Infelizmente, nosso povo ainda não percebeu que bradar chavões tipo ‘o Brasil é do Senhor Jesus!’ não produzirá a transformação da nossa nação. O ensino bíblico é que temos o dever de pregar. É verdade que precisamos de uma liderança como Neemias, que incentive e que motive, mas na verdade, precisamos estar dispostos a pagar o preço de levar a mensagem do Reino de Deus. Não sou contra esses chavões, mas acredito que seria mais razoável substituirmos essas frases por aquela frase dita por Bartimeu diante de Jesus: ‘Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!’. É interessante a observação de que a iniciativa de Neemias em perguntar à comitiva que acabara de chegar de Jerusalém pelas condições da cidade e seus moradores (1.2). Foi essa atitude de Neemias que mudou a história. Se não tivermos coragem para o trabalho de Deus não devemos orar pela obra de Deus. Se não quisermos abençoar uma pessoa não devemos lhe perguntar nada. O rumo da vida de Neemias mudou a partir de sua pergunta. Nossa vida vai mudar a partir do momento que decidirmos renunciar e pagar o preço por interceder por nossa nação.

3. Ele fez confissão de pecados (Ne 1.6b). A oração de Neemias revela seu conhecimento e intimidade com Deus. É interessante observar que as únicas coisas que fez antes de buscar o Senhor foi perguntar e ouvir a resposta. Ele não deu nenhuma resposta a seus irmãos. Ele não buscou o rei para ter dele ajuda. Ele não abandonou o palácio. Ele buscou o Deus da obra para fazer a obra de Deus. Ele não agiu como Moisés que quis fazer a obra de Deus sem ser comissionado por Deus, matando um egípcio e não sabendo nem mesmo enterrá-lo. Neemias tinha disposição para orar. Sua oração era fervorosa, tal qual a de Elias. A intercessão de Neemias é contínua: de dia e de noite. Devemos orar em todo tempo (1Ts.5.17; Ef.6.18). Ele orou por quatro meses. Se a obra era gigante, a oração devia igualmente ser. Neemias faz confissão de seus pecados e dos pecados do povo. Ele reconhecia que o caos instaurado na história de Israel era resultado direto do pecado do povo. Ele não busca justificativas em Deus. Ele não se defende de Deus. Ele sequer acusa o povo. Ele simplesmente confessa. Seus dedos não estão apontados em riste para o povo, mas aos céus. Deus nos chama a interceder pelo pecado do povo e pelo nosso pecado, da nossa família, igreja, bairro, cidade, etc. Precisamos assumir nossa posição como intercessores para que as conseqüências dos pecados cometidos por eles, não venham agir sobre nós, como parte do todo. Não podemos incorrer no erro de achar que não somos co-responsáveis por confessar esses pecados por não possuirmos um papel de liderança, mas aprendemos que quando Neemias fez a confissão dos pecados de seu povo, ele era apenas o copeiro do Rei, ele ainda não havia recebido a incumbência de ser o ‘tirshatha’, ‘pehah’ ou governador, mas fazia parte deste povo e sofria pelas conseqüências desses pecados.

Sinopse do Tópico (3)

A intercessão de Neemias caracterizou-se pela adoração a Deus, súplicas pelo povo e confissão sincera de pecados.

RESPONDA

5. Qual foi um dos pontos altos da oração de Neemias?

(III. Conclusão)

Neemias foi um líder fiel às Escrituras. Convocou o povo para voltar-se para a Lei de Deus e fez não apenas uma reforma estrutural e política em Jerusalém, mas por seu trabalho aconteceu também uma reforma espiritual. Metódico, agiu estratégicamente nesse projeto. Ele colocou cada pessoa no lugar certo, para fazer a coisa certa, com a motivação certa; mobilizou todas as pessoas: homens e mulheres, pobres e ricos, sacerdotes e comerciantes, agricultores e ourives – não deixou ninguém de fora. Precisamos de homens e mulheres com essa visão de Reino, abnegados e dedicados à oração para trabalharmos pela restauração moral e espiritual de nossa nação. Acredito que as características marcantes da liderança de Neemias podem nos ajudar na nossa realidade de ser igreja hoje, quando nossa nação entrega-se voluptuosamente ao hedonismo existencialista. Que Deus levante entre nós líderes da estirpe de Neemias!

"Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade." (1Jo 3.18)

N’Ele, que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Ef 2.8),

Francisco A Barbosa

auxilioaomestre@bol.com.br

RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS

1. 586 a.C.

2. Setenta anos.

3. O rei Ciro.

4. O nome Neemias significa 'Deus consola'. Ele era filho de Hacalias. Na corte persa, exerceu a função de copeiro do rei Artaxerxes I. Em 444 a.C., após receber noticias preocupantes de Jerusalém, Neemias deixa a Pérsia e viaja para a cidade Santa, a fim de reconstruí-la.

5. A confissão.

Notas Bibliográficas

[1]. Adaptado de GOWER, Ralph. Usos e costumes dos Tempos Bíblicos; CPAD, Rio de Janeiro, RJ. 1ª Ed. 2001; p. 294;
[2]. Extraído de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Neemias e http://pt.wikipedia.org/wiki/Nabucodonosor_II;
[3]. Extraído de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cativeiro_Babil%C3%B3nico;
[4]. Bíblia de Estudo Plenitude, Barueri, SP; SBB 2001. Nota textual de Neemias 1.5, p. 486;
[5]. A Bíblia da Mulher, Mundo Cristão e SBB, 2003. Nota textual de Neemias 1.1, p. 606;
[6]. disponível em: http://hernandesdiaslopes.com.br/2010/04/neemias-um-lider-que-mudou-a-historia-de-uma-nacao/;

Os textos das referências bíblicas foram extraídos do site http://www.bibliaonline.com.br/ , na versão Almeida Corrigida e Revisada Fiel, salvo indicação específica.

Autorizo a todos que quiserem fazer uso dos subsídios colocados neste Blog. Solicito, tão somente, que indiquem a fonte e não modifiquem o seu conteúdo. Agradeceria, igualmente, a gentileza de um e-mail indicando qual o texto que está utilizando e com que finalidade (estudo pessoal, na igreja, postagem em outro site, impressão, etc.).

auxilioaomestre@bol.com.br

18 de setembro de 2011

Lição 13 – A Plenitude do Reino de Deus

25 de setembro de 2011

Texto Áureo

Porque brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará.” (Is 11.1). Renovo é título messiânico aplicado a Jesus, que produz fruto espiritual; Ap 5.5 denomina Cristo como ‘a Raiz de Davi’; “Não diz a Escritura que o Cristo vem da descendência de Davi e de Belém, da aldeia de onde era Davi?” (Jo 7.42, de onde temos o título ‘Filho de Davi - título messiânico que descreve o Senhor Jesus como herdeiro eterno do trono de Davi. A profecia Messiânica fala de um rei ideal da linhagem de Davi que combinaria poder e divindade (Jr 23.5; Zc 3.8). Entende-se que após a divisão do reino, vieram dificuldades, mas dessa raiz danificada Deus faz brotar nova vida como rebento/renovo da linhagem de Davi. Sem dúvida, uma mensagem de esperança anunciada por Isaías. Deus prometeu a Davi um trono eterno. A dinastia davídica seria perpetuada através do Rei-Messias, o Senhor Jesus Cristo (Sl 89.3,4, 34-37; Is 9.7; 11.1,10; Jr 23.5,6).

Verdade Prática

Na consumação de todas as coisas, Deus estabelecerá plenamente o seu Reino e o entregará como herança aos que tiverem recebido a Jesus Cristo como o seu Salvador.

Leitura Bíblica em Classe
Isaías 11.1-9

Objetivos

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
- Compreender que a plenitude do Reino é a nossa bendita esperança;
- Saber que o Reino de Deus é uma sublime realidade, e
- Conscientizar-se de que a efetivação do Reino se dará com a segunda vinda de Cristo.

Palavra-chave
PLENITUDE

Estado ou qualidade do que está completo.

Comentário

(I. Introdução)

- Neste domingo estudaremos a última lição do trimestre! É oportunidade para programarmos um ‘marketing’ em nossa Escola Dominical a fim de atrair, convencer, cativar, conquistar e manter alunos. É nossa responsabilidade, portanto, esmero em realizar um ensino com cuidado especial, com dedicação e com amor é o que o Mestre por excelência espera de nós. Esforcemo-nos no ministério que Deus providenciou para cada uma de nós e que o Espírito Santo possa mostrar-nos a responsabilidade que temos (“De modo que, tendo diferentes dons segundo a graça que nos foi dada, ... se é ensinar, haja dedicação ao ensino”, Rm 12.6,7).

De acordo com Isaías 9.6,7, o descendente de Davi, Rei-Messias, é divino, e seu Reino é eterno. Davi foi um “pai” temporário para seu povo; o Messias é um Pai imortal, eterno para todos os povos (Sl 2.6-8; Lc 22.29). Jesus é o eterno Renovo do tronco de Jessé. Ele não se manifestou no período áureo do reinado de Davi ou de Salomão, quando o reino de Israel era uma árvore frondosa e frutífera. Mas, na ocasião em que o machado derrubara o arvoredo, restou à descendência de Jessé, apenas um tronco, por amor a Davi. Desse tronco surge o Netzer, o ‘Renovo’. Deste termo origina-se a palavra Nazaré, região da qual surgiu o Profeta-Messias (Lc 24.19). Jesus brotou como um rebento da combalida dinastia davídica (“a raiz de Jessé”), a fim de cumprir as profecias messiânicas feitas a Davi, o rei teocrático do Eterno. Esta profecia demorou cerca de 700 anos para se cumprir. E, hoje, depois de dois milênios, nós, os eleitos, aguardamos o pleno cumprimento da restauração do trono de Davi, por meio do Rei dos reis e Senhor dos senhores. O Messias foi exaltado como Senhor pelo SENHOR (Sl 110.1). Em breve Ele voltará a este mundo para buscar os seus súditos: “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre eles. Sim! Amém!” (Ap 1.7). Boa Aula!

(II. Desenvolvimento)

I. A PLENITUDE DO REINO: UMA BENDITA ESPERANÇA

1. O Deus da esperança. A autoridade para governar a Terra foi dada por Deus a Adão desde o princípio (Gn1:26-30). Enquanto ele viveu em sujeição a Deus tudo correu bem, mas quando decidiu ser independente e fazer sua própria vontade, foi apanhado pelas mentiras de Satanás (Gn3:1-7) e acabou ficando sujeito a este (Ef2:1-3); e com ele todos os seus descendentes (Rm3:23a) e também a própria terra que estava sob sua responsabilidade (Lc4:5). Como resultado da desobediência aos termos do seu governo, o homem cai, experimentando a perda do seu domínio (Gn 3.22,23), tudo o que se achava sob o seu domínio delegado passa a estar sob maldição, assim como o seu relacionamento com o Eterno, a principal fonte do seu poder para governar é interrompida e perde o poder da 'vida', essencial ao governo no Reino de Deus (Gn 3.17-22). Contudo, um fato oferece esperança, Deus age de forma redentora e promete um plano para restaurar todas as coisas (Gn 3.15). O Novo Testamento refere-se à segunda vinda de Cristo como sendo a bendita esperança de todo cristão verdadeiro: “A graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que… vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente, aguardando a bendita esperança e a manifestação do nosso grande Deus e salvador Cristo Jesus“ (Tt 2.11,13). Não somente a manifestação ou aparição de Cristo, mas também uma nova ordem de coisas. “Nós, segundo a sua promessa, esperamos novos Céus e nova terra, nos quais habita justiça” (2Pe 3.13).

2. Em Cristo, temos esperança. Quando Jesus Cristo veio em carne, o reino de Deus chegou outra vez aos homens (Mc 1.14-15; Lc 11.20). Ele exerceu a autoridade de Rei e Senhor sobre os homens, as doenças, os demônios, as forças da natureza, e até sobre a morte. Após sua morte e ressurreição Ele mesmo disse a seus discípulos: “toda a autoridade me foi dada no céu e na terra” (Mt 28.18). A bendita esperança é quando os cristãos aguardam com esperança e alegria o estar com Cristo na glória para sempre. (Jo 14.1,2). Para muitos de nós, a vida, mesmo a vida cristã, é uma grande luta, às vezes uma luta bastante cruel. Mas isto não vai ficar assim, indefinidamente. Não foi isso que Deus planejou para nós. Ele planejou e vai fazer acontecer um futuro maravilhoso. Este seu propósito se cumprirá plenamente no dia da volta de Cristo: “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.(1Co 2.9). A "bem-aventurada esperança" pela qual todo cristão deve ansiar é o "aparecimento da glória do grande DEUS e nosso Senhor JESUS CRISTO" e a nossa união com Ele por toda a eternidade (Jo 14.3). Essa esperança pode ser concretizada a qualquer momento (cf. Mt 24.42; Lc 12.36-40; Tg 5.7-9). Assim sendo, os cristãos nunca devem abrir mão da sua expectativa mantida em oração de que talvez ainda hoje a trombeta soará e o Senhor voltará. Essa é a verdadeira esperança da igreja, estamos aguardando Um que virá do Céu. Entendamos que esta esperança não é a de irmos para o Céu quando morrermos, nem se trata do glorioso Milênio, o qual virá a seu tempo, quando iremos morar com Ele. Nossa Bem-aventurada esperança é o retorno pessoal do mesmo Jesus que veio ao mundo para sofrer humilhação, tendo morrido na cruz em nosso lugar: “Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito” (1Pe 3.18). Ele mesmo voltará, o Noivo celestial vai voltar para a Sua Noiva, a fim de conduzi-la ao lar celestial, onde ela viverá para sempre com Ele. No dizer de Paulo, “Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro, e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura” (1Ts 1.9,10); “Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação” (Hb 9.28); “Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas” (Fp 3.20,21); “... mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo” (Rm 8.23); “De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Co 1.7); “Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo” (Tt 2.13); “E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura” (1Ts 1.10); Estes textos mostram qual é a verdadeira esperança da igreja, ou seja, pelo que estamos esperando. Esta é nossa esperança, deliciosa, santificadora, e nada pode interpor-se a ela.

3. A esperança do Reino para a Igreja. Paulo declara enfaticamente que, sem Cristo, o homem não tem esperança (Ef 2.12), não pode ter o tipo de esperança a que a Bíblia se refere. A igreja é a expressão do Reino de Deus quando se torna anunciadora da esperança confirmada pela ressurreição de Jesus Cristo. A igreja, portanto, é chamada para mediar a presença de Cristo, que por sua vez media o futuro de Deus. O Reino de Deus é o real fundamento da teologia da igreja, pois à igreja é dada uma obrigatoriedade missionária, pois ela está ligada à sociedade e compartilha com ela os sofrimentos desta época, formulando esperança em Deus para as pessoas. O deplorável estado que se encontra o mundo com toda a sorte de tribulação, ilegalidade, malignidade, miséria, dor, tristeza e perplexidade não é novidade para o crente que vive a 'bem-aventurada esperança'. A esperança do futuro Reino de Deus é tarefa da igreja quando assume concretamente a sociedade em que esta inserida dando um horizonte de esperança, justiça, vida, humanidade. Isso só é possível com a pregação do evangelho. A missão é a proclamação de uma esperança viva, ativa e apaixonada pelo Reino de Deus e seus valores vivenciados por Jesus conforme os evangelhos.

Sinopse do Tópico (1)

A Igreja de Deus deve fazer a diferença neste mundo pecaminoso aguardando a plenitude do Reino.

RESPONDA

1. Qual era a função de Adão e Eva no Éden?

2. De acordo com a lição, o que somos convocados a cultivar?

II. O REINO DE DEUS: UMA SUBLIME REALIDADE

1. Nas Escrituras. É verdade que a Bíblia centraliza a sua atenção na primeira vinda de Cristo, que levou a efeito a salvação, e fez com que o futuro irrompesse no presente de forma promissora. Mas a Parousia de Cristo, que introduzirá a consumação do plano de Deus e da glória da qual compartilharemos, também está sempre em mira. Os profetas do Antigo Testamento anteviam os últimos dias sem indicarem quando exatamente ocorreriam. Seu propósito não era satisfazer a curiosidade das pessoas, mas focalizar o propósito de Deus e usar as profecias como incentivo para obedecer à vontade de Deus no tempo presente. Isaías, por exemplo, contava a respeito de um tempo em que o monte da casa de Deus seria exaltado 'e concorrerão a ele todas as nações. E virão povos e dirão: Vinde, subamos ao monte do SENHOR... para que nos ensine o que concerne aos seus caminhos, e andemos nas suas veredas' (Is 2.2,3)[1]. O profeta Isaías identifica sua mensagem escatológica, no que diz respeito ao estabelecimento da Casa do Senhor, para a qual afluirão todos os povos. Após o julgamento e a correção de Deus os povos gozarão de paz universal (Is 2.1-5). A expressão usada por Isaías “naquele dia” é também indicadora da mensagem escatológica do profeta, na qual anuncia. O profeta prevê a extensão mundial do reino quando declara que: “Naquele dia, a raiz de Jessé será como uma bandeira aos povos, para onde as nações recorrerão; o seu descanso será glorioso” (Is 11.10). Há um kerigma escatológico na profecia de Isaías identificada à luz do Novo Testamento: “A glória do Senhor se revelará; e todos juntos a verão. Aqui está o meu servo a quem sustento; o meu escolhido, em quem me alegro; pus o meu Espírito sobre ele; ele trará justiça às nações” (Is 40.1-5; 42.1). O profeta Daniel também vaticina e renova a esperança do reino escatológico. Cativo na Babilônia, apresenta-se ao grande rei Nabucodonosor e relata a interpretação da visão dos reinos que sucederiam no cenário mundial, e deixa claro que o Soberano reina sobre a terra acima dos poderosos: “É Ele quem remove reis e estabelece reis. O Altíssimo tem domínio sobre os reinos dos homens e o dá a quem quer” (Dn 2.21; 4.25). De modo semelhante, o Novo Testamento emprega a esperança da Parousia de Cristo como motivação: "Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro" (1Jo 3.2,3). O teor da mensagem no Novo Testamento é a Parousia de Jesus e o estabelecimento do Reino de Deus.

2. No presente. Deus está ativo na história da humanidade, redimindo-a em Cristo a fim de fazer Sua vontade soberana conhecida e experimentada pelos homens (Ef 1.5-9; Rm 12.1-2). O Reino de Deus foi inaugurado em Cristo e continua através de Sua igreja. A igreja é muitas vezes referida nas Escrituras como o “corpo de Cristo”. “Corpo de Cristo” significa senão que somos unidos misticamente com Cristo e, conseqüentemente sua missão se torna nossa missão, como Júlio Zabatiero explica: “a missio Christi também deve ser a missio ecclesia[2]”. O Evangelho é as boas novas desse Reino (Mt 24.14). Proclamação, kerigma, é ato de anunciar os decretos reais, tornando-os conhecidos. A ordem do Rei é que proclamemos a chegada deste Reino, seus valores e caráter, a todos e em todo lugar. Obediência, vista nesta ótica não é um peso e sim um privilégio. A submissão à vontade de Cristo nos torna participantes do projeto do Rei. Como o palco do estabelecimento deste Reino é o mundo, existe uma resistência por parte das forças do “anti-Reino”, como afirma Leonardo Boff, em seu livro Igreja Carisma e Poder. Ele fala ainda mais que “impõe-se sempre um oneroso processo de libertação para que o mundo possa acolher em si o Reino e desembocar no termo feliz”. O apostolo Paulo escrevendo para a igreja de Colossos diz que “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o Reino do Filho do Seu amor” (Cl 1.13). A igreja como agente do Reino é o instrumento de Deus para libertar as pessoas das forcas opressivas e destrutivas. É a Ecclesia de Cristo, em obediência a Sua vontade soberana, existindo como extensão da Sua obra, que se move pelo mundo, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela! (Mt 16.18-19)[3]. Nos Evangelhos, a expressão “Reino de Deus” (basileia tou theou) aparece 51 vezes, sendo 4 em Mateus, 14 em Marcos, 31 em Lucas e 2 em João. Além dos Evangelhos a expressão também aparece em Atos e em algumas cartas de Paulo (Romanos, 1 Coríntios, Gálatas, Colossenses e 2 Tessalonicenses) totalizando 65 ocorrências no Novo Testamento. A expressão “Reino dos Céus” (basileia tôn ouranôn) aparece somente em Mateus em 32 ocorrências. Outras várias ocorrências usando apenas “Reino” também estão presentes nos Evangelhos, como a conhecidíssima expressão na oração do “Pai Nosso”: “...venha o teu reino...”.

3. No futuro. A segunda vinda de Cristo completará a colheita da ressurreição. Tendo vencido todos os inimigos, Cristo passará as rédeas do governo divino a Deus, o Pai. Na perícope de 1Co 15.24-28, Paulo argumenta que a ressurreição não é um evento isolado, com repercussão isolada, antes, é um acontecimento integrado e culminante no governo soberano de Deus sobre a história. A redenção estará completa até que Cristo “haja posto todos os inimigos debaixo dos pés” (v 25), uma referencia clara a Sl 110.1[4]. Quando Jesus voltar em glória, destruirá todos seus inimigos, “os reinos deste mundo passarão a ser de nosso Senhor e de seu Cristo e Ele reinará para todo o sempre”. Este é o clamor da sétima trombeta (Ap 11.15). Diante Dele todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus é o Senhor (Fp 2.10-11). Ele iniciará um reino de mil anos sobre a terra, sem a interferência de Satanás, levando-a a um estado de paz e harmonia, resultantes de Seu governo no coração dos homens e toda terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as água cobrem o mar (Is 11.9).

Sinopse do Tópico (2)

No futuro o Reino de Deus será espiritual e universalmente pleno.

III. A CONSUMAÇÃO FINAL DO REINO DE DEUS

1. Aguarda a sua efetivação. O reino de Deus não é um lugar, nem um sistema, nem um povo, nem está restrito a apenas um período da história. O significado básico da palavra βασιλεια (Basiléia), traduzida por reino, é “reinado”, ela designa a posição e a existência do rei, trazendo o sentido de poder real e autoridade. Quando aplicada a Deus, o qualifica como o Soberano de todas as coisas, o Rei do Universo. Reino de Deus é a ação de reinar de Deus. A posição de Rei é inerente a Deus. Ele reina porque é Deus. Assim o reino de Deus é tão eterno quanto Ele, existe desde quando Deus existe e durará enquanto Deus durar (Sl 10.16, Sl 29.10, Jr 10.10, Lm 5.19); ele é ilimitado e abrange tudo e todos (Sl 103.19, Dn 4.17,25,32).Todos que rejeitam este reino sofrem as conseqüências perdendo seus benefícios, mas não conseguem se livrar da autoridade de Deus. Assim como ocorreu com Satanás e seus anjos (Is 14.12-15, Ez 28.11-19, Jd 6) e com os homens (Gn 2.15-17, 3.1-19; Rm 5.12). Hoje, os homens vivem “fora” do reino de Deus, pois não se sujeitam espontaneamente ao Seu governo e não fazem a Sua vontade. Porém não podem se livrar da autoridade do Rei, que lhes determina condenação eterna por causa dessa rebeldia. Esta situação só pode ser mudada quando uma pessoa se arrepende e recebe, pela fé, Jesus Cristo como o Senhor de sua vida (κυριοσ/kyrios = dono, senhor, soberano), demonstrando sujeição a sua vontade através da obediência. Assim, apesar de haver resistência, Deus reina soberano eternamente sobre os céus e sobre a terra e ironicamente ri daqueles que se levantam contra ele (Sl 2). Ninguém pode detê-lo, nada lhe escapa ao controle. Quem O impedirá de realizar os Seus desígnios? [5]

2. No Milênio. Reino Milenar é o nome dado aos 1000 anos do reinado de Jesus Cristo na terra. Alguns buscam interpretar os 1000 anos de forma alegórica. Alguns entendem os 1000 anos meramente como uma forma figurativa de dizer “um longo período de tempo”. Disto, resulta que alguns não esperam um reinado literal e físico de Jesus Cristo na terra. Entretanto, por 6 vezes, Apocalipse 20:2-7 fala do Reino Milenar com duração específica de 1000 anos. Se Deus quisesse dizer “um longo período de tempo”, Ele poderia facilmente tê-lo feito, sem explicitamente e repetidamente mencionar o exato período de tempo. Segundo a Bíblia, quando Cristo retornar à terra, Ele Se estabelecerá como Rei de Jerusalém, sentado no trono de Davi (Lucas 1:32-33). Os pactos incondicionais exigem uma volta literal e física de Cristo para estabelecer o reino. O pacto de Abraão prometia a Israel uma terra, uma posteridade, um governante e uma bênção espiritual (Gênesis 12-1-3). O pacto da Palestina prometia a Israel a restauração e ocupação da terra (Deuteronômio 30:1-10). O pacto de Davi prometia a Israel perdão: meio pelo qual a nação poderia ser abençoada (Jeremias 31:31-34). Na segunda vinda, estes pactos serão cumpridos quando Israel for “ajuntada” das nações (Mateus 24:31), se converter (Zacarias 12:10-14) e for restaurada à terra sob a liderança do Messias, Jesus Cristo. A Bíblia fala das condições durante o Milênio como um ambiente perfeito, fisicamente e espiritualmente. Será um tempo de paz (Miquéias 4:2-4; Isaías 32:17-18); gozo (Isaías 61:7,10); conforto (Isaías 40:1-2); sem qualquer pobreza (Amós 9:13-15) ou enfermidade (Joel 2:28-29). A Bíblia também nos diz que somente os crentes terão acesso ao Reino Milenar. Por isso, será um tempo de completa justiça (Mateus 25:37; Salmos 24:3-4); obediência (Jeremias 31:33); santidade (Isaías 35:8); verdade (Isaías 65:16) e plenitude do Espírito Santo (Joel 2:28-29). Cristo governará como rei (Isaías 9:3-7; 11:1-10), com Davi como regente (Jeremias 33:15,17,21; Amós 9:11). Os nobres e príncipes também reinarão (Isaías 32:1; Mateus 19:28). Jerusalém será o centro “político” do mundo (Zacarias 8:3). Apocalipse 20:2-7 simplesmente dá o período de tempo exato do Reino Milenar. Mesmo sem estas Escrituras, há inúmeras outras que apontam para um reino literal do Messias na terra. O cumprimento de muitos dos pactos e promessas de Deus se baseia em um futuro reino literal e físico. Não há bases sólidas para que se negue uma compreensão literal do Reino Milenar e sua duração de 1000 anos[6]. Apocalipse 20.1-10 determina que este período terá uma duração de mil anos, sendo por isso chamado milênio. O número “mil” não é simbólico nem alegórico, pois nestes versículos, a expressão “mil anos” é mencionada seis vezes, sendo 3 delas na forma definida “os mil anos”, indicando um período específico de tempo com duração determinada de mil anos.

3. Serão novas todas as coisas. "E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido. E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida. Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte” (Ap 21.1-8). Esta descrição feita por João é uma das mais fascinantes das Escrituras. Ela abre as portaspara o cenário que nos aguarda na eternidade, conduzindo-nos a nossa pátria celestial (Fp 3.20; Hb 11.16). Haverá novos céus e nova terra, pois os anteriores foram consumidos pelo fogo (2Pe 3.7-10). Não sabemos como serão os novos céus e a nova terra, mas o mais importante é revelado: o próprio Deus, nosso Pai, estará conosco e viverá entre nós (v 3,7). Este é o presente mais precioso que qualquer um de nós poderá receber e só nos é permitido tomar parte deste momento por causa do imenso amor que nosso Senhor Jesus demonstrou na cruz, dando Sua vida para nos fazer participantes de Sua herança nos santos. Não haverá mais morte (v 4), pois ela terá sido lançada no lago de fogo por toda a eternidade, não podendo mais agir sobre ninguém. Beberemos gratuitamente da fonte da água da vida (v 6) , o acesso à árvore da vida que tinha sido bloqueado no princípio (Gn 3.22-24) será novamente liberado (v 22.14) e comeremos do seu fruto livremente. Não haverá mais tristeza, nem choro nem dor, mas a alegria imensa da presença do Pai nos satisfará plenamente com abundante felicidade. Não haverá mais noite e nem será necessária nenhum tipo de luz natural, pois Deus mesmo nos iluminará com sua presença.

Sinopse do Tópico (3)

Após o milênio o Reino eterno de Deus será plenamente estabelecido. E os remidos da Antiga e da Nova Aliança habitarão na Nova Jerusalém.

RESPONDA

3. Quem consumará o Reino de Deus de maneira plena?

4. O que vaticinaram os profetas do Antigo Testamento sobre o Reino do Messias?

5. Você deseja ser um agente transformador na sociedade?

(III. Conclusão)

O cumprimento final do supremo propósito de Deus se dará quando toda Sua grande família, Tantos como a areia da praia!/Tantos como a areia do mar!/Que gozo sentirá/Todo o salvo pois verá/Sim, tantos como a areia da praia! (509 HC), estiver reunida diante Dele revestida da glória de Seu Filho, pronta para viver a eternidade em um precioso e íntimo relacionamento com Ele. Enquanto caminhamos para esse dia, seguimos testemunhando, proclamando suas boas novas e edificando-nos uns aos outros, até que a Noiva esteja pronta e adornada para o seu Noivo. Afim de não desanimarmos diante das dificuldades que se aproximam e não desviarmos do alvo proposto, o Senhor deixou ensinamentos e orientações acerca das coisas que estão porvir. Examinando as Escrituras com um coração simples e quebrantado, podemos traçar um panorama dos fatos que nos aguardam enão ser surpreendidos por eles em nossa caminhada.

"Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade." (1Jo 3.18)

N’Ele, que me garante que: "... o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos” (Mt 20.28),

Francisco A Barbosa

auxilioaomestre@bol.com.br

RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS

1. Eram mordomos da criação.

2. A ‘bem-aventurada esperança’.

3. O Senhor Jesus Cristo.

4. Os profetas vaticinaram que o reino messiânico é de justiça, paz e santidade.

5. Resposta pessoal.

Notas Bibliográficas

[1]. Extraído de HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática. Uma perspectiva pentecostal. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996. p. 611;
[2]. BARRO, Jorge Henrique. Uma Igreja Sem Propósitos: os pecados da igreja que resistiram ao tempo. São Paulo: Mundo Cristão, 2004;
[3]. Disponível em:
http://scriptoriumvitae.blogspot.com/2009/05/o-reino-de-deus-na-teologia-biblica-no.html;
[4]. Adaptado de Bíblia de Estudo Plenitude, Barueri, SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 2001,nota textual de 1Co 15.23, p.1194, e nota textual de 1Co 15.24-28, p. 1367;
[5]. Extraído de:
http://pt.scribd.com/doc/52211897/21/A-Segunda-Vinda-de-Jesus-Cristo;
[6]. Transcrito de
http://www.gotquestions.org/portugues/reino-milenar.html

Autorizo a todos que quiserem fazer uso dos subsídios colocados neste Blog. Solicito, tão somente, que indiquem a fonte e não modifiquem o seu conteúdo. Agradeceria, igualmente, a gentileza de um e-mail indicando qual o texto que está utilizando e com que finalidade (estudo pessoal, na igreja, postagem em outro site, impressão, etc.).

auxilioaomestre@bol.com.br