Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

31 de março de 2017

Lição 1 - JOVENS - As Bem-Aventuranças



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD
2º Trimestre de 2017
Título: O Sermão do Monte — A justiça sob a ótica de Jesus
Comentarista: César Moisés Carvalho

JOVENS
 - Lição 1 -
02 de Abril de 2017

As bem-aventuranças

TEXTO DO DIA

SÍNTESE
“Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós” (Mt 5.12).

As bem-aventuranças resumem perfeitamente o estilo de vida, bem como a visão de mundo, de todos os que, nascidos de novo, tornaram-se súditos do Reino e, por isso, veem as coisas sob a perspectiva de Cristo.

AGENDA DE LEITURA
Segunda - Sl 15.1-5
O perfil do salvo
Terça - Lc 6.20
A alegria do pobre
Quarta - Lc 6.21
A alegria do faminto e do triste

Quinta - Lc 6.22
A alegria dos desprezados
Sexta - Lc 6.23
A alegria da identificação
Sábado - Lc 6.24-26
A tristeza da alegria mundana


OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

           DESTACAR a bênção da humildade, do choro e da mansidão;
           EVIDENCIAR a felicidade dos sedentos e famintos por justiça, por misericórdia e por pureza;
           RESSALTAR a bem-aventurança de ser pacificador, perseguido, caluniado e insultado.


INTERAÇÃO
Prezado professor, estamos iniciando mais um trimestre com a graça de Deus. Nesta oportunidade, nosso tema é o conhecido “Sermão do Monte” ou “Sermão da Montanha”, proferido pelo Senhor Jesus Cristo em Mateus 5 a 7. A despeito de esta passagem ser muito popular, seu ensino nunca foi tão necessário quanto hoje, pois há uma crise ética generalizada em diversas áreas da vida. Neste caso, o padrão de justiça do Reino de Deus é uma inspiração não apenas para os discípulos daquele tempo, mas também para os de hoje, e para toda a humanidade. É bom, contudo, lembrar que o referido Sermão não consiste de uma lista de “pode” e “não pode”, estando muito além desses aspectos.
O comentário foi escrito pelo pastor César Moisés, que além de exercer a chefia do Setor de Educação Cristã da Casa Publicadora das Assembleias de Deus e lecionar na Faecad, atua como palestrante nos eventos de Educação Cristã da Casa (Capeds, congressos e conferências) é pedagogo, pós-graduado em Teologia pela PUC-Rio, articulista, e possui várias obras lançadas pela CPAD.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Todos, indistintamente, procuramos a felicidade. De uma forma ou de outra, todos buscamos ser felizes. Sabe-se, porém, que a maneira como se dá tal busca, bem como a sua fonte, são as mais diversas possíveis, e dependem de cada cultura, sociedade, grupo, família e indivíduo. Nesta primeira aula, após apresentar o tema O Sermão do Monte de forma panorâmica e distinguir a justiça do Reino, das justiças dos escribas e fariseus, realize uma dinâmica de, no máximo oito minutos, com o propósito de contrastar a felicidade na perspectiva do Reino em relação à felicidade na ótica mundana. Divida o quadro em dois e escreva de um lado “Felicidade” e, do outro, “Infelicidade”. Questione os alunos a respeito do que seria felicidade e o inverso. Procure dirigir as respostas para que surjam as seguintes palavras-chaves: humilhação, choro, injustiça, perseguição, calúnia e insulto. Por exemplo: “Quando vocês são injustiçados, ficam felizes ou tristes?”. Conforme as respostas forem surgindo você deve anotá-las à parte. No entanto, depois de uns quatro minutos, separe as expressões acima do lado do quadro onde estiver escrito “Felicidade”. Leia com eles a leitura bíblica em classe e explique que ser feliz, isto é, “abençoado”, na perspectiva do Reino é justamente o contrário da visão mundana e materialista.



TEXTO BÍBLICO
Mateus 5.1-12.
1 Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
2 e, abrindo a boca, os ensinava, dizendo:
3 Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus;
4 bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;
5 bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
6 bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
7 bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;
8 bem-aventurados os limpos de coração,

porque eles verão a Deus;
9 bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;
10 bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus;
11 bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem, e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa.
12 Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.


COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
É impossível a qualquer pessoa, com um mínimo de bom senso, não se surpreender com o texto conhecido como “As bem-aventuranças”. São nove versículos que destacam condições, sentimentos e valores que o mundo de então, tal como o de hoje, rejeita. Isso porque na cultura “ensimesmada”, ou “autocentrada”, a simples demonstração do que significa viver sob a perspectiva de Jesus Cristo e do seu Reino, é algo inconcebível. Durante este trimestre teremos a oportunidade maravilhosa de estudar o “Sermão do Monte”. Uma passagem muito conhecida do Evangelho de Mateus que precisa, urgentemente, ser estudada. A justificativa para essa necessidade é que o ímpeto da juventude a predispõe a estar sempre em busca de uma causa ou motivo pelo qual lutar. Tal disposição e interesse não possuem em si nada de ruim, pois como seres humanos precisamos de um sentido para viver. O problema é quando uma ideologia, por exemplo, torna-se a orientação fundamental da existência de uma pessoa. Por mais justa que seja a referida ideologia, ela será boa para alguns, mas nunca para todos. Já o Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo: “Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo 3.17). [Comentário: Como introdução da revista, é esclarecedor dizer que “As bem-aventuranças” são as oito declarações de bênçãos pronunciadas por Jesus no início do Sermão da Montanha, registrado por Mateus no capítulo 5.3-12, cada uma começando com o termo "Bem-aventurados”. Também é bom esclarecer que há um certo debate quanto a exatamente quantas bem-aventuranças existem. O comentarista da revista afirma serem 9, alguns falam de sete, ou dez bem-aventuranças, mas assim como pensa Billy Grahan em seu livro O Segredo da Felicidade (CASA PUBLICADORA BATISTA), o que se depreende da leitura dos versículos 10-12 de Mateus 5 como sendo uma bem-aventurança, temos o número de 8. O sermão da Montanha é o mais famoso sermão que Jesus deu, talvez o mais famoso já dado por alguém. Mateus 5.1-2 é a razão pela qual esse texto é conhecido como o Sermão da Montanha: "Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e ele passou a ensiná-los…." A localização do monte é incerta, mas é provável que ficasse próximo aos arredores de Cafarnaum. Segundo o costume dos rabis, Jesus ficava sentado enquanto ensinava. Note que os discípulos incluíam uma audiência maior do que os 12. O Sermão da Montanha abrange vários temas diferentes, sendo que sua introdução é justamente as “Bem-aventuranças”. A palavra grega traduzida por "bem-aventurado" significa mais do que um estado emocional representado pela palavra ‘feliz’ e inclui o bem-estar espiritual, tendo a aprovação de Deus e, assim, um destino mais feliz (Veja o Sl 1). Aqueles que experimentam a primeira parte de uma bem-aventurança (os pobres, os que choram, os mansos, os com fome de justiça, os misericordiosos, os puros, os pacíficos e os perseguidos) também experimentarão a segunda parte da bem-aventurança (reino dos céus, conforto, herdarão a terra, saciados, misericórdia, verão a Deus, chamados filhos de Deus, herdarão o reino dos céus). Os bem-aventurados têm uma parte na salvação e têm entrado no reino de Deus, experimentando um pouco do céu. As Bem-aventuranças são a afirmação clássica da ética do Reino de Deus.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I. A FELICIDADE DOS HUMILDES, DOS AFLITOS E DOS CALMOS
1. A bem-aventurança dos pobres de espírito. Antes de pronunciar a primeira bem-aventurança, observa o evangelista Mateus, que Jesus “vê” a multidão (v.1). O “ver” aqui não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro. Uma importante observação que aparece na versão bíblica Corrigida é que Ele, “abrindo a boca, os ensinava” (v.2). Não se trata de uma redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio (Jo 8.6,7; 13.3-17). Em seu ensino, o Mestre destaca, em primeiro lugar, que é bem-aventurado ou feliz, os “pobres de espírito”, isto é, os humildes, pois “deles é o Reino dos céus” (v.3). Os pobres de espírito são aqueles que, por reconhecerem sua dependência de Deus, não se apoiam em méritos próprios e muito menos em alguma coisa que possuam. Justamente por isso, eles são felizes, pois confiam integralmente em Deus e vivem para Ele. Deles então é o Reino dos céus, uma vez que vivem, já aqui, àquilo que muitos só experimentarão no futuro: A alegria da plena comunhão com o Senhor Deus (Jo 15.11). [Comentário: Ser pobre de espírito é ter a disposição descrita em Isaías 66.:2: "... mas o homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra". Como está bem explicado pelo comentarista, os que tem maior necessidade espiritual estão mais aptos para perceber essa necessidade e depender só de Deus e não da sua própria bondade. Paulo observa o mesmo princípio em Rm 9.30-31. O paralelo em Lucas 6.20 omite “de espírito”. Isto tem levado muitos a suporem que Jesus, primariamente, se referiu aos materialmente pobres. Pobreza material e reconhecimento da necessidade espiritual frequentemente andam juntas, mas as duas espécies de pobreza não são idênticas. Assim, esta bem-aventurança não confere nenhuma bênção especial aos desprovidos economicamente. Não devemos ter em mente que a pobreza fomente alguma proteção ou preterição por parte de Deus, nem devemos interpretar equivocadamente o texto que diz: "Bem-aventurados os pobres, pois deles é o reino dos céus". Pobre aqui é uma qualidade espiritual e não uma condição econômica. Ajuda pensar sobre o oposto de "pobre de espírito". O contraste seria "orgulhoso de espírito", auto-suficiente, arrogantemente independente. Há indivíduos com a atitude que diz "não preciso que ninguém me dê qualquer direção na vida. Eu posso passar muito bem sem qualquer padrão moral de uma fonte divina". Este é o espírito moderno do humanismo. No Glossário do Humanismo o conceito é definido deste modo: "... uma visão da vida que é centrada no homem e sua capacidade de construir uma vida que vale a pena para si mesmo e seus parceiros, aqui e agora. A ênfase é colocada nos próprios recursos intelectuais e morais do homem, e a noção de religião sobrenatural é rejeitada."]

29 de março de 2017

Lição 1: A Formação do Caráter Cristão



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS - 2º Trimestre de 2017
Título: O Caráter do Cristão - Moldado pela Palavra de Deus e provado como ouro
Comentarista: Elinaldo Renovato

- Lição 1 -
2 de Abril de 2017

A Formação do Caráter Cristão

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
"Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim."
(Gl 5.20)

O homem nascido de novo tem o seu caráter transformado pelo Espírito Santo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Jo 3.3
Novo nascimento, uma transformação de dentro para fora
Terça -  Jo 2.1-12
Jesus transforma água em vinho
Quarta -   2Co 5.17
Nova criatura, novo caráter

Quinta - Gn 3.6,7
O caráter é corrompido pelo pecado
Sexta - Ef 4.20-24
A graça divina restaura o caráter
Sábado -  Sl 1.1
Diariamente precisamos aprimorar nosso caráter


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Efésios 4.17-24
17 E digo isto, e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade da sua mente.
18 Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração;
19 Os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza.
20 Mas vós não aprendestes assim a Cristo,
21 Se é que o tendes ouvido, e nele fostes ensinados, como está a verdade em Jesus;
22 Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano;
23 E vos renoveis no espírito da vossa mente;
24 E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade.

HINOS SUGERIDOS: 5, 390, 432 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL

Mostrar corno se dá a formação do caráter cristão.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
- Reconhecer o caráter na realidade do homem;
- Mostrar como se deu a deformação do caráter humano;
- Explicar a redenção do caráter humano.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Prezado professor, neste trimestre teremos a oportunidade ímpar de estudar a respeito da formação do caráter cristão. Você tem evidenciado Cristo mediante suas ações e palavras? Então, não terá dificuldade alguma em trabalhar com os temas das lições. O comentarista do trimestre é o pastor Elinaldo Renovato de Lima, autor de diversos livros e líder da Assembleia de Deus em Parnamirim, RN. Que mediante o estudo de cada lição, você e seus alunos  possam evidenciar os valores do Reino em meio a uma geração que tem rejeitado os princípios divinos.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Neste trimestre, teremos a oportunidade ímpar de estudar a respeito do caráter. Todo ser humano tem caráter, seja ele bom, seja ele mau, exemplar, ímpio ou santo. Deus criou o homem bom e perfeito, mas o pecado maculou o seu caráter. Por isso, todos necessitam de uma transformação espiritual e moral. Veremos que somente o Deus de toda a perfeição, mediante o Filho, pode transformar o caráter de uma pessoa. [Comentário: Em seu livro A Busca do Caráter (Ed Vida, 1999), Charles Swindoll escreve: “Deus está permanentemente em busca de algo. Você já pensou nisso um dia? A busca de Deus é o propósito tramado no estofo do Novo Testamento. O padrão que ele persegue está definido em Romanos 8.29, onde ele promete que nos conformará à imagem de seu Filho. Outra promessa está registrada em Filipenses 1.6, onde lemos que ele iniciou boa obra em nós e não vai interrompê-la. Noutro passo bíblico, ele chega a chamar-nos de "feitura" sua (Efésios 2.10). Ele está nos martelando, limando, esculpindo, dando-nos forma! A segunda carta de Pedro chega ao ponto de relacionar alguns dos objetivos dessa busca encetada por Deus: diligência, fé, virtude, conhecimento, domínio próprio, perseverança, piedade, fraternidade e amor (2Pedro 1.5-7). Numa palavra: caráter”. Tiago escreve: "Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por provações, sabendo que a prova da vossa fé desenvolve a perseverança. Ora, a perseverança deve terminar a sua obra para que sejais maduros e completos, não tendo falta de coisa alguma." (Tg 1.2-4). Em Gênesis encontramos o registro de Moisés explicando que o homem, enganado por Satanás, rebelou-se contra o seu Criador, perdendo sua condição perfeita, a ponto de a imagem de Deus, no qual ele tinha sido formado, ter sido destruída. Não somente o homem, mas toda a criação, que foi trazida a existência para o bem do homem, caiu junto com ele perdendo também sua excelência. A Bíblia é farta de ensinamentos referentes à virtude, à moral e ao caráter cristão. Os preceitos da Lei, especialmente os do Decálogo (Êx 20), as mensagens éticas dos profetas (Is 10.1,2; Hc 2), os ensinos de Jesus (Mt 5-7), e as doutrinas exaradas nas epístolas (Rm 12.9-21; 1 Pe 3.8-16), revelam a vontade Deus para a vida moral do homem (2 Tm 3.16).] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

l - O CARÁTER NA REALIDADE DO HOMEM

20 de março de 2017

Lição 13: Uma Vida de Frutificação



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS - 1º Trimestre de 2017
Título: As Obras da Carne e o Fruto do Espírito
Como o crente pode vencer a verdadeira batalha espiritual travada diariamente
Comentarista: Osiel Gomes

ATENÇÃO! Esta abordagem da lição não representa a palavra oficial da editora CPAD nem de nenhuma Igreja. As opiniões aqui expressas podem não ser as mesmas de outros professores. A finalidade desta postagem, além dos vídeos divulgados, é auxiliar na preparação de sua aula. Para dirimir dúvidas, encaminhe e-mail para assis.barbosa@bol.com.br.

- Lição 13 -
26 de Março de 2017

Uma Vida de Frutificação

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. (Jo 15.2)

O crente só terá uma vida frutífera se estiver ligado à Videira Verdadeira, Jesus Cristo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Rm 6.22
Fruto para santificação
Terça -  2Co 9.10
Deus dá a semente
Quarta -   Hb 12.11
O fruto pacífico de justiça

Quinta - Mt 12.33
As árvores e seus frutos
Sexta - Jo 15.16
Nomeados para dar frutos
Sábado -  Tg 5.7
Paciência para esperar o fruto


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
João 15.1- 16
1 EU sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador.
2 Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.
3 Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.
4 Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
5 Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
6 Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.

HINOS SUGERIDOS: 145, 254,363 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Explicar que o crente só terá uma vida frutífera se estiver ligado à Videira Verdadeira.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I. Compreender a singularidade da videira e seus ramos;
II. Mostrar o fundamento da frutificação espiritual;
III. Explicar que fomos chamados para frutificar.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Graças a Deus por mais um trimestre concluído. Com certeza você e seus alunos estão experimentando um tempo de frutificação. Fomos chamados pelo Pai para produzirmos bons frutos afim de que o nome dEle seja glorificado. Os dons espirituais são importantes para o crente, mas estes precisam ser acompanhados do fruto, pois o fruto está relacionado ao caráter de Cristo em nós. Ele evidencia a nossa comunhão com o Pai e o quanto temos aprendido com Ele. Ore por seus alunos. Peça ao Senhor que todos possam ter uma vida frutífera até a volta de Jesus Cristo.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Nesta última lição do trimestre, estudaremos a respeito da frutificação na vida do crente. Você tem produzido o fruto do Espírito? Precisamos frutificar! Por isso, necessitamos estar Ligados à Videira Verdadeira. É Cristo em nós que nos permite produzir o fruto do Espírito. Sem Ele nada podemos  (Jo 15.4). O propósito de uma vida frutífera é tão somente glorificar o Pai (Jo 15-8). [Comentário: Vimos na lição 2 que a palavra ‘fruto’ é a tradução do grego ‘karpos’ que se refere literalmente ao fruto de árvores ou vinhedos. Figurativamente, é empregada para denotar aquilo que tem sua origem ou provem de algo como produto, efeito ou resultado. Logo, entendemos que o fruto do Espírito provem do Espírito Santo. Como bem define o Dicionário Vine (CPAD): é ‘uma expressão visível de poder que opera no interior e invisivelmente, o caráter do fruto sendo a evidência do caráter do poder que o produz’. De fato, é a exteriorização do caráter não do crente, mas do Espírito Santo através do crente. Precisamos ter consciência de que o Espírito Santo trabalha em nós, não somente para nos conceder dons e talentos, mas para nos transformar. Em João 15, Jesus conforta seus discípulos dizendo: “Eu Sou a Videira verdadeira [...] permanecei em mim, e eu permanecerei em vós” (Jo 15.1,4); Jesus é a videira e cada cristão é um ramo. A vida da videira torna-se a vida do ramo. Assim a alma morta em ofensas e pecados recebe vida, diante da ligação com Jesus. E é pela fé em nosso Salvador pessoal, que é formada esta união. E é maravilhoso estar ligado a Jesus, nosso Salvador pessoal e dEle recebermos forças para viver o dia a dia. Porém, o próprio Jesus disse: “Permanecei em Mim, e Eu permanecerei em vós: como o ramo de si mesmo, não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim” (Jo 15.4). Longe da Videira não tem vida. O Espírito Santo é o agente responsável em conduzir o crente a fazer a vontade de Deus. A descida do Espírito Santo não foi para que simplesmente falássemos em línguas estranhas. Também foi para auxiliar o cristão a subjugar o próprio eu, para fazer guerra contra a natureza carnal. Por isso, para que o crente ande no Espírito, o apóstolo Paulo recomendou: “E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito” (Ef 5.18). Ele docemente constrange o crente a fazer a vontade de Deus.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I – A VIDEIRA E SEUS RAMOS