Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

20 de março de 2017

Lição 13: Uma Vida de Frutificação



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS - 1º Trimestre de 2017
Título: As Obras da Carne e o Fruto do Espírito
Como o crente pode vencer a verdadeira batalha espiritual travada diariamente
Comentarista: Osiel Gomes

ATENÇÃO! Esta abordagem da lição não representa a palavra oficial da editora CPAD nem de nenhuma Igreja. As opiniões aqui expressas podem não ser as mesmas de outros professores. A finalidade desta postagem, além dos vídeos divulgados, é auxiliar na preparação de sua aula. Para dirimir dúvidas, encaminhe e-mail para assis.barbosa@bol.com.br.

- Lição 13 -
26 de Março de 2017

Uma Vida de Frutificação

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. (Jo 15.2)

O crente só terá uma vida frutífera se estiver ligado à Videira Verdadeira, Jesus Cristo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Rm 6.22
Fruto para santificação
Terça -  2Co 9.10
Deus dá a semente
Quarta -   Hb 12.11
O fruto pacífico de justiça

Quinta - Mt 12.33
As árvores e seus frutos
Sexta - Jo 15.16
Nomeados para dar frutos
Sábado -  Tg 5.7
Paciência para esperar o fruto


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
João 15.1- 16
1 EU sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador.
2 Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.
3 Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.
4 Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
5 Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
6 Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.

HINOS SUGERIDOS: 145, 254,363 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Explicar que o crente só terá uma vida frutífera se estiver ligado à Videira Verdadeira.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I. Compreender a singularidade da videira e seus ramos;
II. Mostrar o fundamento da frutificação espiritual;
III. Explicar que fomos chamados para frutificar.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Graças a Deus por mais um trimestre concluído. Com certeza você e seus alunos estão experimentando um tempo de frutificação. Fomos chamados pelo Pai para produzirmos bons frutos afim de que o nome dEle seja glorificado. Os dons espirituais são importantes para o crente, mas estes precisam ser acompanhados do fruto, pois o fruto está relacionado ao caráter de Cristo em nós. Ele evidencia a nossa comunhão com o Pai e o quanto temos aprendido com Ele. Ore por seus alunos. Peça ao Senhor que todos possam ter uma vida frutífera até a volta de Jesus Cristo.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Nesta última lição do trimestre, estudaremos a respeito da frutificação na vida do crente. Você tem produzido o fruto do Espírito? Precisamos frutificar! Por isso, necessitamos estar Ligados à Videira Verdadeira. É Cristo em nós que nos permite produzir o fruto do Espírito. Sem Ele nada podemos  (Jo 15.4). O propósito de uma vida frutífera é tão somente glorificar o Pai (Jo 15-8). [Comentário: Vimos na lição 2 que a palavra ‘fruto’ é a tradução do grego ‘karpos’ que se refere literalmente ao fruto de árvores ou vinhedos. Figurativamente, é empregada para denotar aquilo que tem sua origem ou provem de algo como produto, efeito ou resultado. Logo, entendemos que o fruto do Espírito provem do Espírito Santo. Como bem define o Dicionário Vine (CPAD): é ‘uma expressão visível de poder que opera no interior e invisivelmente, o caráter do fruto sendo a evidência do caráter do poder que o produz’. De fato, é a exteriorização do caráter não do crente, mas do Espírito Santo através do crente. Precisamos ter consciência de que o Espírito Santo trabalha em nós, não somente para nos conceder dons e talentos, mas para nos transformar. Em João 15, Jesus conforta seus discípulos dizendo: “Eu Sou a Videira verdadeira [...] permanecei em mim, e eu permanecerei em vós” (Jo 15.1,4); Jesus é a videira e cada cristão é um ramo. A vida da videira torna-se a vida do ramo. Assim a alma morta em ofensas e pecados recebe vida, diante da ligação com Jesus. E é pela fé em nosso Salvador pessoal, que é formada esta união. E é maravilhoso estar ligado a Jesus, nosso Salvador pessoal e dEle recebermos forças para viver o dia a dia. Porém, o próprio Jesus disse: “Permanecei em Mim, e Eu permanecerei em vós: como o ramo de si mesmo, não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim” (Jo 15.4). Longe da Videira não tem vida. O Espírito Santo é o agente responsável em conduzir o crente a fazer a vontade de Deus. A descida do Espírito Santo não foi para que simplesmente falássemos em línguas estranhas. Também foi para auxiliar o cristão a subjugar o próprio eu, para fazer guerra contra a natureza carnal. Por isso, para que o crente ande no Espírito, o apóstolo Paulo recomendou: “E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito” (Ef 5.18). Ele docemente constrange o crente a fazer a vontade de Deus.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I – A VIDEIRA E SEUS RAMOS

Lição 13: Uma Vida de Frutificação (EBP em Foco)

Lição 13: Uma Vida de Frutificação (Prof Caramuru)

16 de março de 2017

JOVENS - Lição 12: A Igreja e a salvação dos perdidos



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD
1º Trimestre de 2017
Título: A Igreja de Jesus Cristo — Sua origem, doutrina, ordenanças e destino eterno
Comentarista: Alexandre Coelho

ATENÇÃO! Esta abordagem da lição não representa a palavra oficial da editora CPAD nem de nenhuma Igreja. As opiniões expressas podem não ser as mesmas de outros professores. Esta postagem é apenas uma sugestão de aula, além dos vídeos divulgados, para auxiliar na preparação de sua aula.
Para dirimir dúvidas, encaminhe e-mail para assis.barbosa@bol.com.br.


JOVENS
 - Lição 12 -
19 de Março de 2017

A Igreja e a salvação dos perdidos

TEXTO DO DIA

SÍNTESE
“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

A salvação é oferecida a todas as pessoas, mas cabe a elas decidirem se aceitarão ou não o plano de Deus.

AGENDA DE LEITURA
Segunda - At 16.30,31
É preciso crer para ser salvo
Terça - 2Pe 3.9
Deus deseja que todos venham a arrepender-se
Quarta - Jo 5.24
Quem ouve a palavra e crê

Quinta - Fp 2.12
“Operai a vossa salvação com temor”
Sexta - Lc 19.10
Jesus veio buscar o perdido
Sábado - Rm 10.9
Saber, confessar e crer


OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
   
    EXPLICAR o conceito de salvação e o seu alcance;
    MOSTRAR a dinâmica da salvação;
    DISCUTIR a respeito do amor e da soberania de Deus.


INTERAÇÃO
Na lição deste domingo estudaremos a respeito da maior dádiva de Deus para o pecador: a salvação pela fé em Jesus Cristo. É importante que você ressalte, logo na introdução da aula, que todos necessitam de salvação, por isso, a Igreja de Cristo tem como missão a proclamação do Evangelho (Mc 16.15). O que seria de nós se alguém não tivesse pregado o Evangelho de Cristo para nós? Se estamos hoje na igreja, estudando em uma classe de Escola Dominical é porque alguém nos evangelizou. Assim como fomos alcançados com o Evangelho e a salvação devemos também alcançar outros, “porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido” (At 4.20).
O castigo para o pecado é a morte, porém Deus por sua infinita graça, amor e misericórdia, enviou seu Filho Jesus Cristo ao mundo para morrer por nossos pecados. Como crentes, precisamos evangelizar os perdidos mostrando que a salvação não pode ser alcançada por qualquer tipo de esforço humano. Somos salvos e libertos do poder do pecado unicamente pela fé em Jesus Cristo e por sua graça.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Para introduzir a lição faça a seguinte indagação: “Por que precisamos de um Salvador?”. Ouça os alunos com atenção e peça que leiam Romanos 3.23. Em seguida, diga que todos pecaram e com o pecado perdemos o acesso direito a Deus. Estávamos condenados à separação eterna. Mas Deus enviou seu Filho Unigênito para nos salvar. Jesus nasceu para morrer por nossos pecados. Sua morte não foi um acidente. Ela já havia sido preparada desde o Éden (Gn 3.15). Jesus se doou por amor a nós! Em seguida, divida a turma em dois grupos. Dê a folha de papel e as canetas aos grupos. O tema do primeiro grupo será: “O homem com o Salvador” e do outro, “O homem sem o Salvador”. Os grupos terão que montar um quadro como o exemplo abaixo.



TEXTO BÍBLICO
Atos 4.1-12.
1. E, estando eles falando ao povo, sobrevieram os sacerdotes, e o capitão do templo, e os saduceus,
2. doendo-se muito de que ensinassem o povo e anunciassem em Jesus a ressurreição dos mortos.
3. E lançaram mão deles e os encerraram na prisão até ao dia seguinte, pois era já tarde.
4. Muitos, porém, dos que ouviram a palavra creram, e chegou o número desses homens a quase cinco mil.
5. E aconteceu, no dia seguinte, reunirem-se em Jerusalém os seus principais, os anciãos, os escribas,
6. e Anás, o sumo sacerdote, e Caifás, e João, e Alexandre, e todos quantos havia da linhagem do sumo sacerdote.
7. E, pondo-os no meio, perguntaram: Com que poder ou em nome de quem fizestes isto?

8. Então, Pedro, cheio do Espírito Santo, lhes disse: Principais do povo e vós, anciãos de Israel,
9. visto que hoje somos interrogados acerca do benefício feito a um homem enfermo e do modo como foi curado,
10. seja conhecido de vós todos e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, aquele a quem vós crucificastes e a quem Deus ressuscitou dos mortos, em nome desse é que este está são diante de vós.
11. Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina.
12. E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.


COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
A salvação dos perdidos é obra do Espírito Santo. É Ele que convence o homem de seus pecados e do perdão oferecido por meio do sacrifício de Jesus. A igreja colabora com o Reino de Deus apresentando a mensagem da salvação a todas as pessoas, para que tenham chance de ouvir o evangelho e decidir entre aceitar ou rejeitar a salvação oferecida, fazendo-os entender também as consequências dessa aceitação ou rejeição. Essa é uma missão urgente para o povo de Deus, pois ninguém é salvo sozinho. E a ordem de Jesus é que transmitamos a todos, indistintamente, a mensagem da salvação. [Comentário: A doutrina da Salvação é assunto importante e deve ser um conhecimento dominado por todo cristão a fim de que possamos apresentar o Evangelho a todos, aliás, a evangelização consiste na apresentação do plano de Deus para a salvação. Existem duas grandes visões acerca dessa doutrina, as chamadas doutrinas ‘Calvinista’ e ‘Arminiana’. Numa lição, é impossível abordarmos ambas, mas é importante passar para os alunos, pelo menos, uma síntese do que pensa cada uma elas e qual a visão abraçada pela igreja. “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc 19.10). O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus. Nessa condição, o Criador o coloca diante de uma posição inquestionável: a necessidade da Sua presença em sua vida. Isso só ocorre mediante uma decisão pessoal que passa pelo arrependimento. O arrependimento gera em seu interior o regresso a Deus. Chamamos isso de Salvação. A palavra Salvação vem do grego “Soteria”, no sentido de libertar ou resgatar e aparece 45 vezes no Novo Testamento. Mesmo salvo, por causa da sua natureza pecaminosa, o homem muitas vezes coloca em dúvida a sua certeza de salvação. Nesse estudo analisaremos à luz bíblica algumas condições que podem ajudá-lo a ter essa certeza diante de Deus.
    Saber que todo homem necessita da graça de Deus, de ser alcançado por Ele. (Romanos 3:23; João 3:36; João 5:24)
    Saber que Jesus veio ao mundo para esse propósito. (Lucas 19:10; Romanos 5:8; I Pedro 3:18)
    Saber que existe apenas uma condição para ser salvo e receber a vida eterna. (João 1:12; João 3:16-18)
    Saber que as boas obras não são necessárias para a salvação. (Efésios 2:8-9; Tito 3:5)
    Saber que a certeza da salvação é um dom irrefutável dado por Deus, te garantindo a vida eterna. (I João 5:13)
    Saber que mesmo diante das acusações de satanás (Apocalipse 12:10), o nosso sentimento não pode apagar essa certeza. (João 10:28-29) http://discipulados.com.br/jesus-a-salvacao-para-os-perdidos/.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I. O CONCEITO DE SALVAÇÃO E SEU ALCANCE

1. Quando falamos da salvação dos perdidos, precisamos recorrer às Sagradas Escrituras. A Bíblia nos fala em Gênesis que Adão e Eva, o primeiro casal, pecaram contra Deus, e por essa atitude o pecado foi repassado às gerações seguintes: “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram” (Rm 5.12). Com isso a humanidade ficou distante de Deus e foi condenada a morte física e eterna. Era necessário que Deus providenciasse uma forma de fazer com que um dia, homens e mulheres pudessem estar livres do pecado e da morte eterna, e tornassem a ter comunhão com Deus. [Comentário: John Piper escreveu certa vez que o alvo da pregação é a glória de Deus, o solo da pregação é a cruz de Cristo e o dom da pregação é o poder do Espírito Santo. Outro propósito da pregação é a salvação dos perdidos e a edificação do povo de Deus. Desde a queda, o homem está fugindo de Deus! Sua mente está em constante inimizade a tudo que o Ser e o Caráter de Deus é: “Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser.” (Rm 8.7). A Bíblia evidencia a dimensão do pecado no homem claramente (Ez. 16:4,5; Is. 1:6; Rm. 3:10-18). Essa condição detestável e pecaminosa não é adquirida pelo ambiente ou causada pela falta de oportunidade social ou educacional, mas contrariamente, todo homem é pecador desde o ventre - “a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice” (Gn 8:21), “em iniqüidade fui formado, e em pecado concebeu minha mãe.” (Sl 51.5); “Alienam-se os ímpios desde a madre; andam errados desde que nasceram, falando mentiras”; (Sl 58.3); “chamado transgressor desde o ventre” (Is 48.8). É importante destacar que não é o ato da procriação que causa o pecado, nem é a relação conjugal, dentro dos seus limites bíblicos, pecaminosa, mas pela a procriação ser feita entre pecadores, o homem pecador é gerado (Rm 5.12); e este homem perdido, nascido num estado de inimizade com Deus, não deseja conhecê-lo (Jo 5.40; Rm 1.28; 3.11,18). Que os homens não são capacitados com desejo nem com poder para o bem em nenhuma maneira, é entendido pela denominação “mortos em ofensas e pecados” (Ef. 2:1). Por isso “nenhum homem, pela sua natureza, crê que necessita de Cristo. Ele está cegado pelos seus morais, suas intenções, sua sinceridade, sua bondade. Ele não vê a impiedade do seu pecado nem que o seu caso é sem esperança” (Don Chandler, citado em Leaves, Worms .., p. 129). http://www.palavraprudente.com.br/estudos/calvin_d/salvacao/cap03.html Na doutrina Cristã da salvação, somos salvos da “ira”; quer dizer, do julgamento de Deus sobre o pecado (Rm 5.9; 1Ts 5.9). Nosso pecado nos separou de Deus, e a consequência do pecado é morte (Rm 6.23). Salvação bíblica se refere à libertação da consequência do pecado e envolve, portanto, remoção do pecado.]

14 de março de 2017

Lição 12: Quem Ama Cumpre Plenamente a Lei Divina


LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS - 1º Trimestre de 2017
Título: As Obras da Carne e o Fruto do Espírito
Como o crente pode vencer a verdadeira batalha espiritual travada diariamente
Comentarista: Osiel Gomes

ATENÇÃO! Esta abordagem da lição não representa a palavra oficial da editora CPAD nem de nenhuma Igreja. As opiniões aqui expressas podem não ser as mesmas de outros professores. A finalidade desta postagem, além dos vídeos divulgados, é auxiliar na preparação de sua aula. Para dirimir dúvidas, encaminhe e-mail para assis.barbosa@bol.com.br.

- Lição 12 -
19 de Março de 2017

Quem Ama Cumpre Plenamente
a Lei Divina

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
"A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei" (Rm 13.8).

Amar a Deus e ao próximo é cumprir plenamente a lei divina.
[Comentário do Texto de Ouro: Os salvos em Cristo são exortados à santidade em razão da nova vida que receberam e do glorioso futuro que os aguarda na eternidade. O crente não deve deixar de pagar suas dívidas. Isso não significa que é proibido tomar emprestado do próximo, em caso de necessidade grave (cf. Êx 22.25; Sl 37.26; Mt 5.42; Lc 6.35). Por outro lado, a Palavra de Deus reprova o ato de contrair dívidas por coisas desnecessárias, bem como ficar indiferente quanto ao resgate delas (cf. Sl 37.21). A única dívida que nunca quitamos é a de amar uns aos outros. Que a nossa única dívida a outrem seja a dívida do amor.]

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Mt 22.39
O amor altruísta
Terça -  Jo 13.35
O amor é a prova do discipulado
Quarta -   Rm 12.9
O amor precisa ser sincero

Quinta - 1Ts 3.12
O amor precisa ser abundante
Sexta - 1Pe 1.22
O amor precisa ser fervoroso
Sábado -  Jo 15.9
Permanecendo no amor do Pai


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Romanos 12.8 - 14
8 Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.
9 O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem.
10 Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.
11 Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor;
12 Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração;
13 Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;
14 Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis.


HINOS SUGERIDOS: 145,254,363 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Explicar que amar a Deus e ao próximo é cumprir plenamente a lei divina

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I. Compreender a singularidade do amor ágape;
II. Mostrar que precisamos amar a Deus e ao próximo;
III. Explicar que sob a tutela do amor, devemos rejeitar as obras das trevas.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Estamos nos aproximando do término do trimestre. Esperamos que você e seus alunos tenham produzido muitos frutos, nesse período, para a glória de Deus. O crente precisa ter uma vida frutífera. Na lição de hoje estudaremos o amor como fruto do Espírito. Sem esse fruto é impossível ser manso, paciente, longânimo, etc, ou seja, todos os outros frutos dependem dele. Uma das características mais marcantes do crente é o amor. Deus é amor e quem não ama, não o conhece.  Quem ama a Deus ama também o próximo, cumprindo então a lei divina.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Já estudamos alguns aspectos do fruto do Espírito e obras da carne, Deixemos para tratar a respeito do amor em uma única lição, pois o objetivo é que venhamos compreender a singularidade e a importância desse aspecto do fruto do Espírito. Podemos agrupar os nove aspectos do fruto do Espírito Santo da seguinte maneira: Os atributos que tratam do nosso com Deus: amor, paz e alegria. Os que tratam do nosso relacionamento com o próximo: longanimidade, benignidade e bondade. Os que tratam do nosso relacionamento com nós mesmos: fidelidade, mansidão e domínio próprio. Porém, nesta lição, veremos o aspecto do amor. A maior marca de uma igreja não é sua teologia, seu templo, tradições, mas sim o seu amor para com o Senhor Jesus e para com o próximo. [Comentário: Quem ama ao próximo, tem cumprido a lei. "Próximo" é literalmente "o outro", isto é, o próximo de alguém. É muito possível traduzir assim esta sentença: "Aquele que ama, tem cumprido a outra lei" - a "outra lei" sendo, neste caso, o "segundo" mandamento de Mateus 22.39 e Marcos 12.31: "Amarás ao teu próximo como a ti mesmo." Contudo, é preferível a tradução que consta do texto, e a referência é, em todo caso, ao mandamento que Jesus citou como "o segundo" que é semelhante ao primeiro. Quem paga esse débito cumpre a lei - citação de Levitico 19.18, "Amaras ao teu próximo como a ti mesmo", como um sumário dos mandamentos, introduz Paulo diretamente na tradição de Jesus, que colocou estas palavras como o segundo grande mandamento ao lado de "Amarás o Senhor teu Deus ..." (Dt 6.5), "o grande e primeiro mandamento", acrescentando: "Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas" (Mt 22.37-40; ver Mc 12.28-34). Paulo menciona o segundo aqui, e não o primeiro, porque a questão imediata relaciona-se com os deveres do cristão para com o seu próximo - tema dominante dos mandamentos da segunda tábua do Decálogo. Estes mandamentos nos proíbem prejudicar o nosso próximo de qualquer modo, Visto que o amor nunca prejudica a outros, o amor cumpre a lei. Por que o amor é a marca distintiva de uma Igreja forte? Em João 13.35 Jesus afirma que os seus discípulos seriam identificados pelo amor; Ágape deve ser a marca distintiva dos seguidores de Cristo (1 Jo 3.23; 4.7-21). Este amor é, em suma, um amor abnegado e sacrificial, que visa o bem do próximo (1Jo 4.9,10). Por isso, o relacionamento entre os crentes deve ser caracterizado por uma solicitude dedicada e firme, que vise altruisticamente promover o sumo bem uns dos outros. Os cristãos devem ajudar uns aos outros nas provações, evitar ferir os sentimentos e a reputação uns dos outros e negar-se a si mesmos para promover o mútuo bem-estar (cf. 1 Jo 3.23; 1 Co 13; 1 Ts 4.9; 1 Pe 1.22; 2 Ts 1.3; Gl 6.2; 2 Pe 1.7).] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I – A SINGULARIDADE DO AMOR AGÁPE

1. Amor, um aspecto do fruto. O amor é o primeiro aspecto do fruto que encontramos na relação de Gálatas 5.22. Podemos afirmar que tal sentimento é o solo onde os demais aspectos do fruto devem ser cultivados. Paulo relata a suprema excelência do amor em l Coríntios 13. A Língua grega possui três vocábulos para denominar o amor: ágape, amor divino; philéo, amor entre amigos e eros, amor entre cônjuges. [Comentário: O comentarista afirma que ágape é sentimento, no entanto, ágape, o amor que só possui quem nasceu de novo, o amor de Deus, é condicional e não sentimental - “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (Jo 14.15) – está intimamente ligado à obediência - "Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados" (1Jo 5.3). "Eu amo aos que me amam e os que cedo me buscarem, me acharão" (Pv 8:17). O amor de Deus para com o homem é condicional, pois Ele ama aos que O amam. É condicional por haver um quesito e demanda reciprocidade. Concluir que o amor de Deus é incondicional, geralmente decorre da má leitura dos seguintes versículos: “Nisto consiste o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou (...) Nós o amamos a Ele, porque ele nos amou primeiro” (1Jo 4.10 e 19). "Mas, Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores" (Rm 5.8). Só é possível ao homem amar a Deus porque Ele amou primeiro, ou seja, se Deus não houvesse primeiramente dado um mandamento aos homens, seria impossível aos homens amarem a Deus. A Bíblia afirma que antes de conhecermos a Cristo, éramos "odiosos, odiando-nos uns aos outros" (Tt 3.3). Jesus afirmou que seus discípulos seriam conhecidos pelo amor com que se amavam. "Ágape" é o termo grego para o mais profundo e o mais sublime amor. Ágape sempre caracterizou Deus. Em João 3.16 a Bíblia nos mostra o tão grande amor do nosso Deus quando diz: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho..." Existe maior amor do que este? Encontramos também este amor expresso em 1Co 13.4-7. Note a explicação do comentarista para as três palavras gregas para amor. De fato, Eros se refere ao amor sexual e, como sabemos, Eros deve existir dentro do casamento; de igual forma, phileo, o amor que existe entre pais e filhos, e entre irmãos, é o tipo de amor que se desenvolve com o tempo, e também deve existir no casamento! Mas o amor que realmente sustenta um relacionamento cristão é o ÁGAPE – um casamento fundamentado no ágape pode sobreviver a qualquer tipo de tempestade, desencontros, desavenças, etc. Se alicerçamos nosso casamento no amor ágape, a palavra de Deus se torna realidade quando Ele diz: "o amor nunca acaba". Certamente este tipo de amor precisa ser aprendido e esta aprendizagem exige muito esforço e conhecimento. Todos precisamos aprender a amar. Mas, para que um casamento seja feliz é necessário existir estes três tipos de amor.Este texto foi extraído em parte do site http://solascriptura-tt.org/DoCoracaoDeValdenira/AmorQDevemosAprender-Valdenira.htm.. Nesta relação, está faltando o termo grego Storgé - o mais benéfico dos afetos, acontece especialmente com a família e entre seus membros, normalmente afeição de Pais aos filhos. ]