Classe Virtual:

3Trim2014_Lição 13: A Atualidade dos Últimos Conselhos de Tiago


3º Trimestre de 2014

Lição 13

28 de Setembro de 2014


Lição 13: A Atualidade dos Últimos Conselhos de Tiago


TEXTO ÁUREO

“Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis; a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos" (Tg 5.16).


VERDADE PRÁTICA

Se vivermos os princípios da Epístola de Tiago teremos uma vida cristã que agradará ao nosso Deus.


HINOS SUGERIDOS

231, 299, 378.


LEITURA DIÁRIA

Segunda - Tg 5.7-8
Pacientes até a vinda do Senhor
S
Terça Tg 5.9
Não nos acusemos mutuamente
T
Quarta - Tg 5.10,11
O exemplo da paciência de Jó
Q
Quinta - Tg 5.12
Ninguém seja falso
Q
Sexta - Tg 5.13-16
A oração da fé
S
Sábado - Tg 5.17,18
O exemplo da oração de Elias
S


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Tiago 5.7-20.
Tiago 4
7. Sede pois, irmãos, pacientes até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia.
8. Sede vós também pacientes, fortalecei os vossos corações; porque já a vinda do Senhor está próxima.
9. Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o juiz está à porta.
10. Meus irmãos, tomai por exemplo de aflição e paciência os profetas que falaram em nome do Senhor.
11. Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso.
12. Mas, sobretudo, meus irmãos, não jureis, nem pelo céu, nem pela terra, nem façais qualquer outro juramento; mas que a vossa palavra seja sim, sim, e não, não; para que não caiais em condenação.
13. Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.
14. Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor;
15. E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.
16. Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.
17. Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra.
18. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto.
19. Irmãos, se algum dentre vós se tem desviado da verdade, e alguém o converter,
20. Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados.
OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
  • Compreender o valor da paciência e da proibição de juramento;
  • Saber a respeito do real significado da unção dos enfermos, e
  • Conscientizar-se da importância da conversão de um irmão.
PALAVRA CHAVE
Conselho: Ensino ou aviso ao que cabe fazer.
COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Depois de estudarmos os principais assuntos da Epístola de Tiago, nessa última lição do trimestre, chegamos às seções finais da carta (vv.7-20). Nessa ocasião, analisaremos os ensinos práticos e atuais que o meio-irmão do Senhor escreveu para os seus leitores. São conselhos bíblicos práticos, perenes e necessários ao nosso relacionamento com Deus e a uma boa convivência na igreja local bem como em sociedade.. [Comentário: Tendo falado do lugar da oração em relação à doença, Tiago oferece uma inferência resumida que ilustra o poder da oração. As culpas que Tiago particularmente tem em mente podem ser aquelas de uma pessoa doente, que poderiam ter sido a raiz de sua doença, ou a dos crentes em geral. Independentemente, ele não recomenda uma confissão pública geral de todos os pecados sem qualquer tipo de discrição. Os crentes, na maioria da igreja, era pobre, eram explorados pelos ricos e perseguidos por causa da sua fé. Tiago encorajou os crentes para que tivessem paciência até à volta do Senhor. Ele descreve um tipo de paciência que não é passiva, mas que envolve ação. Finalizando o estudo desta maravilhosa missiva, vamos estudar a sessão em que Tiago exemplifica alguns recursos úteis para uma aplicação pessoal. O princípio da paciência não significa muito, a menos que nós possamos aplicá-lo à nossa vida. Convido você para mergulharmos mais fundo agora, nesta ultima sessão de Tiago e vermos as muitas maneiras pelas quais Deus nos dá direção e encorajamento.] Vamos?

I. O VALOR DA PACIÊNCIA E A PROIBIÇÃO DO JURAMENTO (Tg 5.7-12)

1. O valor da paciência e da perseverança (vv.7,8). No versículo sete Tiago evoca uma imagem agrícola para exemplificar o valor da paciência e da perseverança. Tal imagem é comum aos destinatários de sua época. O líder da Igreja em Jerusalém nos ensina que tanto a paciência quanto a perseverança são valores que devem ser cultivados, não em alguns momentos, mas durante a vida toda. A fim de vencermos as dificuldades, privações, inquietações e sofrimentos da existência terrena, precisaremos da paciência e da perseverança. Essas características também estão relacionadas à nossa esperança na vinda do Senhor. Sejamos pacientes e perseverantes em aguardá-la, pois ela, conforme nos diz as Escrituras, está próxima (Fp 4.5; Hb 10.25,37; 1 Jo 2.18; Ap 22.10,12,20). [Comentário: Tiago começa esta ultima seção de sua carta recomendando um tipo diferente de paciência aos crentes. Uma paciência ativa, que deve permanecer até à vinda do Senhor. Exercer essa paciência deveria ser um grande desafio para aqueles crentes, e não é menos desafiador para nós. Vinte e um séculos se passaram desde que o Senhor Jesus prometeu retornar para buscar os seus, e a Igreja do Senhor tem tido de conviver com um mundo que muda a forma de pensar sempre para pior, e que diariamente descobre novas formas de transgredir os mandamentos divinos. Os crentes devem ser pacientes mesmo em meio às injustiças. Precisamos ser perseverantes, confiar em Deus em meio às dificuldades, e recusarmos a vingança pelas injustiças que são cometidas contra cada um nós (Tg 1.2,12; Sl 37). Não é uma paciência inativa! Há trabalho a ser realizado: servir a Deus, cuidar uns dos outros, e proclamar as Boas Novas. Chegará o momento, uma ocasião em que a paciência não será mais necessária: a vinda do Senhor, o momento em que tudo será corrigido. Tiago, e a igreja primitiva, viviam em constante expectativa da volta de Cristo, e é o que cada um de nós hoje, precisamos fazer. Como nós não sabemos quando Cristo irá retornar, para trazer a justiça e remover toda a opressão, devemos esperar com paciência (veja 2 Pe 3.8-10).]
2. O valor da tolerância de uns para com os outros (v.9). Mais uma vez a Palavra do Senhor reitera o cuidado com a língua, pois se não soubermos usá-la acabaremos por cometer falsos julgamentos contra as pessoas. No versículo nove, Tiago adverte-nos acerca do dia do juízo divino. O Juiz está às portas! Ele sim julgará com retidão e, justamente por isso, não podemos nos ocupar emitindo opiniões e comentários falsos contra quaisquer pessoas, quer sejam estas parte da igreja, quer não. [Comentário: Estes crentes, que estavam enfrentando a perseguição de fora e os problemas de dentro da igreja, naturalmente poderiam se achar resmungando e criticando uns aos outros. Tiago não quer que eles se encham de ressentimentos e amarguras uns em relação aos outros — isto somente destruiria a unidade de que eles precisam tão desesperadamente. Recusar-se a se queixar uns contra os outros faz parte da virtude de ser paciente (5.7). Queixar-se uns dos outros indica uma atitude descuidada em relação às palavras. Tiago já mencionou o grande Juiz (4.12). Este Juiz não está longe, mas já está à porta. Tiago está advertindo os crentes a que não estejam envolvidos em julgamentos, brigas. críticas ou mexericos quando aquele a quem deveriam servir retornar. O conhecimento da presença de Cristo não é apenas confortante; ele também pode ser condenador – especialmente quando nós começamos a nos comportar como se Ele estivesse longe. O  foco aqui muda da paciência com os pecadores fora da igreja para a paciência um com o outro dentro da Igreja. Alguém escreveu o seguinte: Caminhar em amor com os santos de cima será uma maravilhosa glória; Mas, caminhar com os santos aqui em baixo, bem, isso já é uma outra história! Em tempos de dificuldades, a paciência é provada e somos tentados a nos queixar (v. 9; lit., gemer, ou seja, reclamar ou resmungar) uns contra os outros. Tiago adverte os cristãos a não apontarem para os erros de outra pessoa, para que não sejais condenados. A proximidade da vinda de Cristo serve como advertência contra o fracasso do cristão bem como para a consolidação da sua constância. A. F. Harper. Comentário Bíblico Beacon. Tiago. Editora CPAD. Vol. 10. pag. 192.]
3. Aflição, sofrimento e juramento (vv.10-12). O ensino desses três versículos, primeiramente, alude à aflição e a paciência dos profetas que falaram em nome do Senhor. De igual modo, posteriormente, trata da paciência de Jó e o fim que o Senhor lhe concedeu após tamanha aflição e sofrimento (Ez 14.14,20; Hb 11.23-38). Os crentes a quem Tiago escreveu sentiam-se orgulhosos por ser comparados aos personagens do Antigo Testamento. Ao experimentar as aflições, eles sabiam que assim como Deus concedera graça a Jó (Jó 42.10-17), da mesma forma daria a eles. No versículo doze, após o exemplo do poder de Deus em relação aos seus servos, os profetas e Jó, Tiago admoesta-nos a que não caiamos no erro de jurar pelo céu ou pela terra. Nossas palavras não são poderosas para garantir o juramento. Não! Tudo depende de Deus e da sua vontade. Tiago nos ensina que não devemos fazer tais juramentos, pois a palavra do discípulo de Jesus deve se resumir ao sim ou ao não (Mt 5.33-37). Isto deve ser suficiente!. [Comentário: O Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal (Editora CPAD) comentando este texto de Tiago, traz o seguinte: “Tiago está se referindo às palavras de Jesus em Mateus 5.34-37. Jurar era um costume comum, e Tiago queria que esta prática fosse suspendida entre os crentes. As pessoas ofereciam garantias verbais desrespeitosas ou arrogantes que elas mesmas podiam reverter através de alguns detalhes legais. Como garantias em negrito em um texto de boa impressão, estes juramentos tinham a intenção de criar uma impressão de verdade - mas as pessoas que os pronunciavam não esperavam realmente ficar presas a eles. Os cristãos não deviam fazer nenhum juramento para garantir a veracidade daquilo que diziam. A nossa honestidade deve ser inquestionável. Os crentes não precisam fazer juramentos, pois as suas palavras devem ser sempre verdadeiras. Não deve haver motivo para que eles precisem reforçar as suas palavras com um juramento. Deus irá julgar as suas palavras. Será que devemos fazer juramentos no tribunal? Os juramentos proibidos aqui são aqueles das conversas normais, e não os juramentos formais feitos em um tribunal. Os juramentos legais têm o objetivo de colocar quem os faz em uma obrigação legal. O perjúrio é um crime grave. A maioria dos estudiosos conclui que Tiago não deseja que nós nos recusemos a fazer juramentos no tribunal. Uma pessoa que tenha a reputação de exagerar ou de mentir não pode conseguir que alguém creia nela somente através de sua palavra. Por exemplo, esta pessoa poderia dizer: “Eu prometo!”, ou: “Eu juro!” Os cristãos não devem nunca ser assim. Seja sempre honesto, para que os outros creiam nos seus simples “sim” e “não”. Evitando as mentiras, as meias-verdades, e as omissões da verdade, você ficará conhecido como uma pessoa digna de confiança.” Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. Vol. 2. pag. 690.].
SINOPSE DO TÓPICO (1)
Como cristãos devemos cultivar a paciência e a perseverança até a volta de Jesus.

II. - A UNÇÃO DE ENFERMOS E COMO DEUS OUVIU A ELIAS (Tg 5.13-18)

1. Oração e cânticos (Tg 5.13). Diante das adversidades, ou nos períodos de bonança, a Bíblia nos recomenda a adorar a Deus. Se estivermos tristes e angustiados, devemos buscar o Senhor em oração; se estivermos alegres, devemos cantar louvores a Deus. Em ambas as situações, Deus deve ser adorado! Como é bom sermos acolhidos pelo Senhor. Se tivermos de chorar, choremos na presença dEle; se tivermos de cantar, entoemos louvores diante dEle. Dessa maneira, seremos maravilhosamente consolados pelo Criador. [Comentário: É comum que nos preocupemos com muitas coisas e que nos queixemos de tantas outras; até mesmo chegamos a jurar vingança contra aqueles que nos causam sofrimento; Talvez tenhamos deixado que a ira ardesse em nosso interior... Mas Tiago diz que a resposta correta para o sofrimento é continuar orando sobre ele (Sl 30; 50.15; 91.15). Esta não será necessariamente uma oração pedindo o fim do sofrimento, mas pedindo paciência e forças para suportá-lo. Se formos suficientemente bem-aventurados, a ponto de nos sentirmos felizes, devemos agradecer a Deus cantando louvores ao Senhor (1 Co 14.15; Ef 5.19; Cl 3.16). Pelo fato de nosso louvor ser dirigido a Deus, cantar é, na verdade, uma outra forma de oração. Como diz Paulo em Ef 5.18-20, o louvor deveria estar em nossos lábios quando a vida proporciona alegria; e deveria haver louvor mesmo debaixo de pressão quando nos lembramos da bondade de Deus. Quando o homem natural, que vive sem Deus, sofre, é comum que acuse a Deus e o mundo, que se ire e diga: “Agora é que não creio em mais nada.” Quando vivemos de costas para Deus, o sofrimento nos impele ainda mais para longe dEle; quando estamos voltados para Deus, o sofrimento nos impele para mais perto dEle.]
2. A oração da fé (vv. 14,15). A orientação de se chamar os presbíteros, ou anciãos da comunidade cristã, para orar por um enfermo e ungi-lo com azeite, denota a ideia de respeito que os crentes tinham com esses ministros. Os presbíteros serviam ao povo de Deus com alegria. Isso também indica que a atitude de ungir o enfermo com o óleo não deve ser banalizada em nosso meio. Hoje, as pessoas ungem bens materiais, bairros e até cidades. Isso é esoterismo! A base bíblica em o Novo Testamento fala do acolhimento ao enfermo para que ele seja curado. É a "oração da fé" que, além de curar o doente, faz com que ele sinta igualmente o perdão dos seus pecados. [Comentário: A oração em tempos de enfermidade não é apenas um dever do crente, acima de tudo, é um privilégio em Cristo! Certamente, esta prática deveria ser o normal em nossa vida! Tiago diz: Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele. O presbitério era constituído pelos líderes reconhecidos ou apontados na congregação local desde os anos 40 e 50 d.C. (At 11.30; 14.23). Sua função não era muito diferente do pastor dos nossos dias. Orar sobre ele significava orar estando em pé ao lado (“sobre”) do leito do enfermo. Um significado secundário da palavra sobre (Gr. epi) poderia ser orar junto a, em vez de sobre ele. A prática de ungir com azeite em conexão com cura é mencionada somente mais uma única vez no Novo Testamento (Mc 6.13). É bom lembrar que para nós, essa unção serve como um símbolo de obediência à admoestação da Palavra de Deus e como uma forma de encorajamento à fé do doente. Nos tempos do Novo Testamento, esse pode ter sido natural usado em cooperação com a oração. A unção era um meio de cura, que tinha um significado espiritual, porque era para ser administrado em nome do Senhor. Em todo caso, Tiago nos assegura que é a oração da fé que salvará o doente, e o Senhor o levantará (v. 15).]
3. Oração e confissão (v.16-18). Esse é um texto maravilhoso, mas infelizmente, desprezado por muitos. Ele rechaça a "confissão entre os irmãos". É um incentivo a koinonia, ou seja, à união e ao amor fraternal entre os salvos. Como todos somos pecadores, em vez de acusarmo-nos uns aos outros, devemos realizar confissões públicas para ajudarmo-nos mutuamente. Uma vez confessada a nossa culpa e tendo orado uns pelos outros, seremos sarados. Tiago lança ainda mão do conhecido profeta Elias, para mostrar que até mesmo um homem como ele, que foi usado poderosamente por Deus, era igual a nós e sujeito às mesmas paixões. Todavia, o profeta orou e Deus ouviu o seu clamor. De fato, a oração de um justo pode muito em seus efeitos. [Comentário: Não é o plano de Deus que o seu povo esteja só. Os membros do corpo de Cristo devem poder contar com os outros para apoio e oração, especialmente quando estão doentes ou sofrendo. “Confessai, pois, os pecados uns aos outros”: aqui o foco principal é o enfermo. Que nos dias de enfermidade não apenas esperemos uma “aprazível visita”, mas aproveitemos essa situação limítrofe em que nos encontramos para um desnudamento total de nossa vida perante Deus, na qual os irmãos são testemunhas e parceiros de oração! É melhor ser envergonhado um pouco agora do que ser obrigado, por ocasião do grande dia, a “ser manifesto com isso perante o tribunal de Cristo” (2Co 5.10). Quando ele perdoa nossos pecados, eles serão eternamente esquecidos (cf. Mq 7.18s; Is 38.17; Sl 32.1s). Por um lado, os irmãos visitantes não precisam (toda vez que prestam esse tipo de serviço) também fazer uma confissão completa acerca de sua vida, mas por outro lado deve ficar explícito que aquele que está sentado à beira do leito depende do perdão de Deus tanto quanto o acamado. Os presbíteros devem estar preparados para atender à necessidade de oração de qualquer membro, e a igreja deve estar alerta para orar pela cura de qualquer pessoa que esteja enferma. Cada pessoa que ora sabe que há tempos em que o Espírito Santo a ajuda em sua oração. Mas Tiago deixa claro que as pessoas que têm suas orações respondidas não precisam ser santos sobre-humanos, diferente das pessoas comuns. Tiago apresenta um exemplo de oração do Antigo Testamento como já tinha apresentado anteriormente exemplos de fé nos versículos 10-11. “Elias era humano como nós” (v. 17, NVI. Cf. 1 Rs 17.1; 18.1, 42-45).5 Ele era um homem exatamente igual a nós — com os mesmos recursos disponíveis de Deus que estão disponíveis para nós. Todo verdadeiro cristão que serve a Deus, como os presbíteros, é encorajado a orar a oração da fé. A admoestação de Tiago para orar por cura do doente e sua ilustração da oração de Elias por chuva nos assegura que Deus responde à oração num domínio natural. A oração não apenas nos transforma, mas por meio dela, Deus também muda as coisas.]
SINOPSE DO TÓPICO (2)
Precisamos acolher os enfermos com nossas interseções e orações.

III. A IMPORTÂNCIA DA CONVERSÃO DE UM IRMÃO (Tg 5.19,20)

1. O cuidado de uns para com os outros (v.19). Nos versículos finais da epístola, a conversão é ilustrada como literalmente retornar à verdade original da qual alguém um dia se afastou. A mensagem é bem clara: só podemos alcançar quem se desviou da verdade se formos em busca de tal pessoa. Para ir precisamos exercer um cuidado especial e amoroso de uns para com os outros (Fp 2.4). [Comentário: Finalmente, Tiago está pronto para encerrar sua carta, mas, ao fazê-lo, segue o costume generalizado de mencionar seu propósito. Dirigindo-se aos crentes (meus irmãos), Tiago lhes propõe uma situação: se algum dentre vós se desviar da verdade, e alguém o converter. Falar de desviar-se é falar de um abandono sério da verdade, como a idolatria (e.g., Isaías 9:16). A vida cristã pode ser descrita como um modo de viver oposto à morte; desviar-se do caminho da vida é perambular pela larga estrada que conduz ao inferno (Mateus 7:13-14). Os caminhos da vida e da morte nunca se cruzam, visto que, como Tiago sustenta (4:4), o mundo e Deus excluem-se mutuamente. Esta ilustração nos traz à memória O Peregrino de Bunyan. A verdade não diz respeito a fatos intelectuais, mas a um modo de vida. Tiago não está interessado em erros doutrinários, não quer “pôr os pingos nos is” escatológicos, não almeja “arregaçar as mangas”, mas preocupa-se com uma verdade central: Jesus é Senhor! O livro todo procura demonstrar o que significa o senhorio de Jesus na vida concreta do povo de Deus. Se Jesus não for obedecido, o crente terá perdido a verdade central, e ficará atolado num pantanal de pecado e morte. Se um crente se desvia, o resto da comunidade não deve simplesmente permitir-lhe que vá, mas deve tentar trazê-lo de volta (se alguém o converter). Como ensinaram Paulo (Gálatas 6:1) e João (1 João 5:16-17), o objetivo não é o julgamento, mas a restauração. Entretanto, a restauração e o perdão não podem sobrevir sem o arrependimento (cf. Lucas 17:3-4). Por isso, a primeira tarefa não é “aceitar” alguém que vai afundando, mas alcançar essa pessoa, fazê-la cair em si, levá-la a dar as costas para seu mau caminho e reconduzi-la ao bom caminho. Peter H. Davids. Comentário Bíblico Contemporâneo. Editora Vida. pag. 161-162.]
2. A proximidade do ensino de Tiago com o de Jesus. É importante ressaltarmos que o ensino da Epístola de Tiago encontra-se em plena harmonia com o Evangelho de Jesus (Mc 12.30,31). Com muita clareza percebemos que o fio condutor que perpassa toda a epístola é justamente o da Lei do Amor: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração" e o "o teu próximo como a ti mesmo". [Comentário: O erro do pecador desgarrado é tão grave a ponto de levar à morte — à morte eterna e espiritual -, se ele não for trazido de volta (veja I Co 11.30; I Jo 5.16). Mas, quando o crente se arrepende e retorna para junto de Deus, Deus irá perdoar apagar e esquecer os pecados desta pessoa (veja Sl 32.1; 1 Pe 4.8). O contexto é um tanto obscuro sobre a identidade do desgarrado. Trata-se de um crente desviado, ou é uma pessoa do grupo que não creu verdadeiramente e está se desviando? Os cristãos discordam se é ou não possível que as pessoas percam a sua salvação, mas todos concordam que aqueles que se afastam da sua fé ou que não a confessam genuinamente tem problemas sérios e precisam se arrepender. Entretanto, fica claro o que este versículo quer dizer: nós devemos trazer de volta o desgarrado - não discutir sobre se a pessoa estaria ou não perdida se não o fizéssemos. O que começou com um incentivo para suportar as dificuldades com alegria agora tem a sua conclusão com um apelo para que uns cuidem dos outros. Os crentes devem prosseguir na sua fé juntos. É Deus quem salva e protege, mas Ele permite que estejamos envolvidos com a vida de outros cristãos. É um a experiência inesquecível testemunhar a acolhida cristã oferecida a alguém que se desviou e retornou, ver o perdão de Deus trabalhando por intermédio do corpo de Cristo quando os crentes aceitam a pessoa que está arrependida. Sob o ponto de vista da eternidade, deve ser realmente como se uma coberta fosse estendida sobre uma multidão de pecados. A carta de Tiago é o cristianismo com as mangas arregaçadas para o trabalho. É o guia prático de trabalho para a vida na fé cristã. Ela expressa o que significa seguir a Jesus Cristo no dia a dia. Tiago enfatiza a fé em ação. As teorias são para os teólogos, mas Tiago está interessado na vida! A vida correta é a evidência e o resultado da fé. A igreja deve servir com compaixão, falar afetuosamente e sinceramente, viver em obediência aos mandamentos de Deus, e amar uns aos outros. O corpo de crentes deve ser um exemplo dos princípios do céu aplicados na terra, levando as pessoas a Cristo por meio do amor a Deus e do amor que uns têm pelos outros. Se nós verdadeiramente acreditarmos na Palavra de Deus, nós a viveremos dia após dia. A Palavra de Deus não é meramente alguma coisa que nós lemos, ou algo sobre o que refletimos, mas é algo que colocamos em prática. Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. Vol. 2. pag. 693.]
SINOPSE DO TÓPICO (3)
Precisamos buscar aqueles que se desviaram e cuidar destes para que se reconciliem com o Senhor e sejam restaurados.

CONCLUSÃO
Chegamos ao fim do estudo panorâmico e conciso da Epístola de Tiago. Que cada professor e, igualmente cada aluno, não importando a idade, cresça mais e mais em Cristo, para a glória e o louvor de Deus Pai.  O nosso desejo é que a Igreja do Senhor cresça diariamente no temor de Deus, em sua santidade, demonstrando a fé em Cristo Jesus através das boas obras, pois esta é a vontade do nosso Pai (Tg 1.22,23,25). [Comentário: Tiago nos leva a esforçar-nos, em época de grande apostasia, com coração, lábios e mãos para que outros não fiquem aquém das expectativas de Cristo e faz com que nós mesmos não fiquemos aquém delas, mas superemos esse tempo repleto de tentações. É como quando alguém se agita em uma noite fria de inverno, na qual todos correm o risco de adormecer e congelar, visando mantê-los acordados; assim permanece pessoalmente acordado e é salvo. – Na verdade a carta não encerra com um voto de bênção, como outras cartas do NT, mas é com essa importante observação que Tiago conclui sua carta tão benéfica para nosso cotidiano como cristãos e particularmente para a multidão que corre em direção do alvo.]
“NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Graça e Paz a todos que estão em Cristo!

Francisco Barbosa
Cor mio tibi offero, Domine, prompte et sincere!

Hoje, em Campina Grande-PB
Setembro de 2014.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2007.
ARRINGTON, French L; STRONSTD (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Volume 2. 4ª Edição. RJ: CPAD, 2009.
EXERCÍCIOS
1. No versículo nove, Tiago adverte-nos acerca do quê?
R. No versículo nove, Tiago adverte-nos acerca do dia do juízo divino. O Juiz está às portas!
2. Como se sentiam os crentes a quem Tiago escreveu?
R. Os crentes a quem Tiago escreveu sentiam-se orgulhosos por ser comparados aos personagens do Antigo Testamento.
3. Diante das adversidades, ou nos períodos de bonança, o que a Bíblia nos recomenda?
R.  A Bíblia nos recomenda adorar a Deus.
4. O que denota a orientação de se chamar os presbíteros, ou anciãos da comunidade cristã, para orar por um enfermo e ungi-lo com azeite?
R. A orientação de se chamar os presbíteros, ou anciãos da comunidade cristã, para orar por um enfermo e ungi-lo com azeite, denota a ideia de respeito que os crentes tinham com esses ministros.
5. Como a conversão é ilustrada nos versículos finais da Epístola de Tiago?
R. Nos versículos finais da epístola, a conversão é ilustrada como literalmente retornar à verdade original da qual alguém um dia se afastou.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

Subsídio Biblíológico

"A paciência de Jó  (5.10,11)
Esses versos marcam a transição dos ensinamentos de Tiago sobre a nossa responsabilidade por aqueles que estão fora da comunidade da Igreja, para com os que estão dentro dela, à luz do julgamento de Deus. Faz essa transição através de dois exemplos que os crentes devem seguir; 'os profetas que falaram em nome do Senhor' (v. 10) e a fidelidade de Jó em suas adversidades (v. 11). Nos dois exemplos, o ponto que Tiago deseja enfatizar é que devemos considerar aqueles que perseveram como abençoados. Por saberem que 'o Senhor é muito misericordioso e piedoso', Jó e os profetas foram pacientes frente às aflições que sofreram.
Os crentes precisam imitar o exemplo da perseverança de Jó sem se 'desviarem da verdade' (5.19) de que Deus é a imutável fonte de 'toda boa dádiva e de todo dom perfeito' (1.17). Precisam imitar o exemplo dos profetas falando 'em nome do Senhor', isto é, usando de seu discurso para mostrar a divina 'misericórdia e piedade' (v.11) para que possamos trazer de volta aqueles que se desviaram da verdade por atos pecaminosos ou por terem acusados a Deus por suas dificuldades (1.13). Aqueles que assim fizerem serão abençoados com a vida eterna e com o perdão de seus pecados (5.20)"  (ARRINGTON, French L; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2004, p. 1687)

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

Subsídio Bibliológico

"Cobrindo uma Multidão de Pecados (5.19,20)
Tiago conclui sua carta encorajando-nos a fazer, por nossos semelhantes, o mesmo que ele fez por meio de seus escritos ao povo de Deus, 'às doze tribos que andam dispersas' (1.1). Se observarmos uma pessoa 'desviando-se da verdade', a vontade de Deus é que façamos com que ela volte (v. 19), porque 'o Espírito que em nós habita tem ciúmes' (4.5, nota NVI), quando 'segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade' (1.18). Dessa forma, nós também nos tornamos 'servos de Deus e do Senhor Jesus Cristo' (1.1).
A 'verdade', da qual alguns se 'desviavam', representa a convicção de Tiago de que Deus é a fonte de 'toda dádiva e de todo dom perfeito' (1.17), e de nada que seja mau ou pecaminoso. Para Tiago,  esse 'erro' teológico (v. 20) tem profundas consequências éticas. Aqueles que creem que Deus é a fonte de todas as coisas ruins em sua vida (1.13) duvidarão que Deus esteja disposto e desejoso de lhes conceder como dádiva generosa, a sabedoria de que necessitam (1.5-8). Seus esforços frustrados de aprender essa sabedoria através  das lutas da vida, mostrarão que permanecem 'inconstantes', desejosos de agradar a Deus, mas ao mesmo tempo possuidores de uma 'concupiscência' que tenta a 'pecar' (1.14,15). Tais pessoas não podem ser trazidas de volta para Deus através de palavras de condenação (4.11,12), somente sendo novamente convencidas de sua misericórdia serão capazes de confiar nEle e de 'receber com mansidão a palavra nela enxertada'" (1.21; cf. 4.7-10) (ARRINGTON, French L; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2004, p. 1689)..

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

nº59. p.42.Lição 13 - A Atualidade dos últimos conselhos de Tiago

Caro professor, mais um trimestre se finda. Nesta oportunidade é hora de fazermos um balanço da nossa atividade de magistério cristão. É necessário que algumas perguntas sejam feitas, tais como: Tenho alcançado os objetivos propostos em cada lição? Os meus alunos têm crescido espiritualmente e como pessoas? Estas, são perguntas que só você pode fazê-las e respondê-las
O autoexame sincero é fundamental para nortear o nosso árduo trabalho no magistério cristão.
Antes de iniciar a última lição faça uma síntese dos temas tratados ao longo de todo o trimestre. É importante o professor fazer este procedimento para que os alunos percebam o fio condutor da lição trimestral e saibam que cada lição está concatenada desde a primeira até a décima terceira. Escolha os temas que, como professor, você achar mais importante fazendo um sintético comentário sobre eles.Então poderás anunciar o assunto da última lição que é a conclusão da carta de Tiago, destacando os últimos conselhos que servem de auxílios atuais para a vida cristã hoje. É necessário destacar os quatro os conselhos principais expostos na presente seção da carta de Tiago (5.7-20): o valor da paciência; a proibição de juramentos; a unção dos enfermos e a disposição de converter um irmão do erro.
Vale a pena também recordar que no início da epístola o tema da tentação foi evocado por Tiago como um evento que gerava Paciência. Agora a paciência é retomada no capítulo cinco. Aqui, um conselho de Tiago chama atenção: “Sede vós também pacientes, fortalecei o vosso coração, porque já a vinda do Senhor está próxima”. Num tempo marcado pela dor, em que o povo de Deus vive, este conselho do meio-irmão do Senhor continua atual e em plena vigência: “fortalecei o vosso coração”. Mas para quê? Para não se enfraquecer com as ilusões da vida, os escândalos divulgados, sabendo que  o tempo que precede a vinda de Cristo é um tempo marcado pela falta de fé e pela falta de esperança em Deus. Por isso, o conselho para sermos pacientes!
Com paciência vamos peregrinando a nossa vida aqui no mundo, amando a Deus e ao próximo. Buscando viver a autenticidade da fé segundo o Evangelho de Cristo. Não abrindo mão da nova aliança estabelecida por Deus a todos os quantos creem no seu Filho.

NOTAS BIBLIOGRÁFICAS
-. Lições Bíblicas do 3º Trimestre de 2014 - CPAD - Jovens e Adultos;
-. Bíblia de Estudo Pentecostal – BEP (Digital);
-. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri, Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999;


Autorizo a todos que quiserem fazer uso dos subsídios colocados neste Blog. Solicito, tão somente, que indiquem a fonte e não modifiquem o seu conteúdo. Agradeceria, igualmente, a gentileza de um e-mail indicando qual o texto.