Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

14 de dezembro de 2015

Lição 12: Isaque, o sorriso de uma promessa



Data: 20 de Dezembro de 2015

TEXTO ÁUREO
E disse Sara: Deus me tem feito riso; e todo aquele que o ouvir se rirá comigo(Gn 21.6).

VERDADE PRÁTICA
A promessa divina, ainda que pareça tardia, sempre nos sorri no momento certo e na estação apropriada.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — Gn 18.10 - Deus promete a Abraão um herdeiro
Terça — Gn 21.1,2 - Deus é fiel, nasce o filho da promessa
Quarta — Gn 24.58-67 - Uma esposa para Isaque, o filho da promessa
Quinta — Gn 25.21 - Os filhos de Isaque, herdeiros da promessa
Sexta — Gn 27.1-46 - Isaque, o filho da promessa, abençoa seus filhos
Sábado — Gn 27,26 - Isaque, o filho bendito do Senhor

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Gênesis 21.1-8.
1 — E o SENHOR visitou a Sara, como tinha dito; e fez o SENHOR a Sara como tinha falado.
2 — E concebeu Sara e deu a Abraão um filho na sua velhice, ao tempo determinado, que Deus lhe tinha dito.
3 — E chamou Abraão o nome de seu filho que lhe nascera, que Sara lhe dera, Isaque.
4 — E Abraão circuncidou o seu filho Isaque, quando era da idade de oito dias, como Deus lhe tinha ordenado.
5 — E era Abraão da idade de cem anos, quando lhe nasceu Isaque, seu filho.
6 — E disse Sara: Deus me tem feito riso; e todo aquele que o ouvir se rirá comigo.
7 — Disse mais: Quem diria a Abraão que Sara daria de mamar a filhos, porque lhe dei um filho na sua velhice?
8 — E cresceu o menino e foi desmamado; então, Abraão fez um grande banquete no dia em que Isaque foi desmamado.

HINOS SUGERIDOS
265, 295 e 315 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Saber que Deus é fiel e que Ele nos “sorri” e cumpre o que prometeu no momento certo e na estação própria.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
  • I. Conhecer a promessa de Deus a Abraão;
  • II. Saber que Isaque era o bem mais precioso de Abraão;
  • III. Mostrar como se deu o casamento de Isaque com Rebeca;
  • IV. Compreender que Isaque era o filho bendito que o Senhor havia prometido.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Deus havia prometido a Abraão um herdeiro, porém, sua idade e a da sua esposa já eram bem avançadas. Continuar esperando o cumprimento de uma promessa a essa altura da vida não parecia nada fácil. Mas, Deus é fiel e vela por sua palavra. Se Deus fez uma promessa a você, creia que no tempo certo ela se cumprirá. Todavia, Sara querendo resolver a situação do seu jeito pede que Abraão tenha um filho com sua escrava Agar. A princípio, parecia que o plano de Sara havia dado certo, porém, depois que o filho da promessa nasceu, começaram os conflitos. Abraão teve que lançar seu filho fora. Mas Deus não havia lançado fora Ismael. O Senhor livra o menino e sua mãe da aflição do deserto e transforma um caso que a princípio parecia de fracasso e morte, em bênção. Deus abençoou Ismael, mas Isaque era o filho da promessa e por seu intermédio, Deus cumpriria seu concerto com Abraão.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Já haviam se passado 24 anos desde que Abraão saíra de Ur dos Caldeus. E, apesar da promessa que o Senhor lhe fizera quanto à posse das terras de Canaã, o patriarca continuava sem herdeiros. Ele já estava com 99 anos e Sara beirando à casa dos 90. Numa idade tão avançada, teriam eles ainda o prazer de embalar o próprio filho? Para Deus nada é impossível. O Senhor prometeu ao patriarca que um filho haveria de nascer-lhe do ventre amortecido de Sara. Esta, ao ouvir a boa-nova, ri-se do que Deus disse. Logo ela veria que apesar de seu riso, o Senhor cumpriria sua promessa. Ele sempre nos surpreende em nossas limitações. [Comentário:“ Sabemos, pelas palavras de Estêvão, de fato, que Deus chamou(1) Abrão enquanto ele ainda morava em Ur(2) dos caldeus, na Mesopotâmia, antes que ele viesse a Harã (At 7.2,3). Com 75 anos de idade, Abraão deixa Harã e segue para Canaã levando consigo a Sarai, esposa e sua meia-irmã, e seu sobrinho, Ló, e no coração, a fé na promessa de Deus – hoje, com esta idade, há muito já estaríamos aposentados e sem esperar mais das promessas do Senhor. Há alguns estudiosos que afirmam que ele estava errado em levar Ló consigo, já que lhe foi dito para deixar sua família. Observe Gênesis 13.14-15. No capítulo 12 de Gênesis, Deus chama Abraão, faz com ele aliança e promete-lhe que ele seria pai de uma multidão de nações. Contudo, sem filhos seria impossível que a promessa de Deus se cumprisse, Abraão não podia crer que um Deus tão poderoso deixaria que um servo herdasse as promessas; ele cria que Deus poderia lhe dar um filho. Esta promessa exigia fé por parte de Abrão, pois era óbvio que ele já era idoso, e que Sarai, sua esposa, era incapaz de ter filhos (Gn 11.30). Passar-se-iam muitos anos antes que Abrão entendesse inteiramente que este herdeiro que Deus prometera viria da união dele com Sarai. Em Gênesis 17.1, treze anos após o nascimento de Ismael e vinte e quatro anos depois da promessa original, Deus renova suas promessas “...Sendo, pois, Abrão da idade de noventa e nove anos”; Isaque (que significa ele riu, em alusão aos risos de incredulidade de Abraão (Gn 17.17), de Sara (Gn 18.12-15), e de alegria pelo nascimento do filho (Gn 21.5-7).), o filho da promessa, finalmente nasceu no lar do centenário Abraão “...E disse Sara: Deus me tem feito riso; e todo aquele que o ouvir se rirá comigo.” (Gn 21.6).]
(1) Embora pareça, por uma leitura superficial de Gênesis (11:31-12:1), que Deus chamou Abrão quando este estava em Harã, pelo relato contraditório de Estêvão, Deus o chamou na Mesopotâmia, antes dele viver em Harã; os dois relatos podem ser harmonizados ao se notar que Gn. 11:27-32 é um parêntese da geração de Terá, introduzido por um waw disjuntivo, e que Gn. 12:1, introduzido por um waw consecutivo, continua a narrativa principal que foi interrompida em Gn. 11:26.” Bruce Waltke, Unpublished Class Notes, Dallas Theological Seminary, pp. 14-15.
(2) “A cidade de Ur, no baixo Eufrates, foi um grande centro populacional, e rendeu extensas informações das tumbas reais que foram escavadas sob a direção de Sir Leonard Wooley e o patrocínio do Museu Britânico e do Museu da Universidade da Pensilvânia. Embora nenhuma evidência direta da residência de Abraão esteja disponível, o importante é que a cidade de Ur reflete a longa história anterior à época de Abrão, possuindo um elaborado sistema de escrita, instalações educacionais, cálculos matemáticos, registros religiosos, de negócios e de arte. Isto demonstra o fato de que Ur possa ter sido uma das maiores e mais abastadas cidades na área do Tigre-Eufrates quando Abraão emigrou da região norte para Harã.” Schultz, “Abraão”, ZPEB, I, p. 22



PONTO CENTRAL
O nascimento de Isaque foi o cumprimento de uma promessa a Abraão.

I. ISAQUE, O SORRISO TÃO ESPERADO
Da promessa ao nascimento de Isaque, passou-se um ano (Gn 18.10). Para quem já havia esperado tanto tempo, aqueles meses correram rapidamente.
1. O nascimento do “riso”. No tempo apontado pelo Senhor, eis que Sara dá à luz o seu unigênito. Na tenda do patriarca, ouve-se agora o choro do filho da promessa, através do qual viriam heróis, reis e o próprio Cristo (Mt 1.1,2). Ao embalar o filhinho, Sara comenta: “Quem diria a Abraão que Sara daria de mamar a filhos, porque lhe dei um filho na sua velhice?” (Gn 21.7). [Comentário: Embora Abraão tenha tido um filho com a serva Agar (Ismael), encontramos em Gn 22.15-16 uma alusão a um único filho, assim como, também, o autor do livro de Hebreus se refere a Isaque como o filho unigênito, que significa único filho gerado por seus pais (Hb 11.17). É interessante notar, ainda, que a vida de Isaque se situa no meio da história de dois patriarcas mais famosos: Abraão tem 287 referências na Bíblia, Jacó tem 365 e Isaque tem 131. Embora não tenha sido tão proeminente quanto seu pai e seu filho na narrativa de Gênesis, Isaque foi fundamental no desenvolvimento da nação de Israel e no cumprimento da aliança de Deus com Abraão e seus descendentes. É através desse patriarca que se desenha o plano redentor do Senhor: Isaque foi oferecido como sacrifício voluntário; é um tipo de Cristo em sua morte: ele carregou em sues ombros a lenha para o holocausto até o Monte Moriá; Cristo carregou a sua cruz ao Calvário, local próximo a Moriá. Orígenes comentou que levar a lenha para o holocausto era dever do sacerdote. Portanto Isaque foi ao mesmo tempo vítima e sacerdote, prefigurando o trabalho de Cristo na cruz. Isaque mostra que Deus cumpre as promessas que faz. Os quatro elementos da promessa feita a Abraão (12.1-3) começam a cumprir-se em Isaque: 1) terra - ele permanece em Canaã após a morte de seu pai aprofundando ali as raízes familiares em obediência a Deus; 2) descendentes – continua a linhagem através de Jacó, após o qual a multiplicação de descendentes acelerou; 3) relacionamento especial com Deus - foi temente a Deus e por ele grandemente abençoado; d) bênção às nações – durante o tempo que Isaque morou em Gerar, já aparecem pequenos sinais de bênção para as nações. Enfim, embora não tão proeminente quanto seu pai ou seu filho na narrativa de Gênesis, Isaque foi um elo fundamental no desenvolvimento da nação de Israel e no cumprimento da aliança de Deus com Abraão e seus descendentes. Sua história tem muito a nos ensinar.leia mais sobre isto em: http://ibmorumbi.com/descobertas/view.asp?CID=54&ID=754]
2. Isaque e Ismael. Se Isaque era o filho da promessa, Ismael estava ali na conta do filho da desesperança e do arranjo carnal. Por isso, o filho de Abraão com Agar, sentindo-se enciumado com a chegada do meio-irmão, põe-se a zombar dele. A situação ficou tão insustentável que, quando do desmame de Isaque, Sara diz ao esposo: “Deita fora esta serva e o seu filho; porque o filho desta serva não herdará com meu filho, com Isaque” (Gn 21.10). Embora a palavra de Sara fosse-lhe dura, Abraão, orientado por Deus, despede a escrava e seu filho. O Senhor, no entanto, já tinha um plano para Agar e Ismael. Afinal, aquele menino também era descendência do patriarca (Gn 21.15-21). [Comentário: Uma pergunta deve ser feita aqui: por que Sara ofereceu sua serva Agar para que Abraão deitasse com ela? E por que o patriarca consentiu? Sara entrega sua serva egípcia Agar para coabitar com seu marido - isso é escandaloso em nossa maneira ocidental moderna de pensar, mas era uma coisa comum naquela região do oriente, quando um homem podia ter muitas esposas e concubinas. A ideia era fazer Agar conceber de Abraão, numa espécie de “barriga de aluguel” antiga, e assim suscitar descendência à sua casa, já que pelo costume da época, um filho concebido por uma serva era considerado filho de sua senhora. Foi um passo errado, indicando uma falta de confiança em Deus e Sara foi a primeira a colher os frutos amargos de seu plano. O nome Ismael significa Deus ouve e significa que Deus viu o modo injusto de Abrão e Sarai tratarem Agar, e que também agiu a respeito disso. Aquele nome dado antecipadamente foi um julgamento sobre Abrão, e revela que Deus abomina toda e qualquer injustiça entre os seus. Ismael, juntamente com os seus descendentes, seria um povo aguerrido, forte e corajoso. Sua disposição para a luta poderia ser usada na peleja espiritual, em favor de Deus ou contra Deus. A escolha seria dele – Aqui está a origem belicosa entre árabes e judeus, ambos descendem de Abraão, e o fato da belicosidade árabe reside nesta passagem bíblica: “Contudo ele será como um jumento selvagem do deserto; ele lutará contra todos e todos guerrearão contra ele. Ele viverá em hostilidade contra todos os seus parentes!” (Gn 16.12 BKJ). Abraão e seus descendentes, Isaque, Jacó, deram origem aos Hebreus de onde vieram os judeus. Ismael e a sua descendência, Nebaiot, Cedar, Abdiel, Mabsão, deram origem aos árabes. Referindo-se aos dois filhos de Abraão, Paulo vai dizem que “Não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência” (Rm 9.8).]

SÍNTESE DO TÓPICO (I)
Isaque, o tão esperado herdeiro, ao nascer encheu o coração dos seus pais de alegria.

SUBSÍDIO DEVOCIONAL
“Idade de Noventa e Nove Anos
Abraão agora estava com noventa e nove anos e Sarai já há muito ultrapassara a idade de ter filhos. Mas treze anos após o nascimento de Ismael e vinte e quatro anos depois da promessa original de Deus, o Senhor apareceu a Abraão com uma mensagem e exigência. (1) Deus se revelou como o ‘Deus Todo-Poderoso’, significando que Ele era onipotente e que nada lhe era impossível. Como Deus Todo-Poderoso, Ele podia cumprir suas promessas, quando na esfera natural tudo dizia ser impossível o seu cumprimento. Então, seria por um milagre que Deus traria ao mundo o filho prometido a Abraão. (2) Deus ordenou que Abraão andasse diante dEle e que fosse ‘perfeito’. Assim como a fé de Abraão foi necessária na efetuação do concerto com Deus, assim também um esforço sincero para agradá-lo era agora necessário, para continuação das bênçãos de Deus, segundo o concerto feito. A fé de Abraão tinha que estar unida à sua obediência (Rm 1.5); senão ele estaria inabilitado para participar dos propósitos eternos de Deus. Noutras palavras, as promessas e os milagres de Deus somente serão realizados quando o seu povo busca viver de maneira irrepreensível, tendo o seu coração voltado para Ele” (Bíblia de Estudo Pentecostal. RJ: CPAD, 2006, p.56).

II. ISAQUE, O BEM MAIS PRECIOSO DE ABRAÃO
Em Moriá, o Senhor não somente provou a fidelidade de Abraão, como também introduziu Isaque na dimensão da fé confessada por seu pai.
1. A provação das provações. Certa noite, o Senhor ordenou a Abraão: “Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi” (Gn 22.2). Na manhã seguinte, ainda de madrugada, o patriarca conduziu o filho amado ao sacrifício supremo. O patriarca, todavia, tinha absoluta certeza de que retornaria do Moriá com o filho, pois aos servos ordenou claramente: “Ficai-vos aqui com o jumento, e eu e o moço iremos até ali; e, havendo adorado, tornaremos a vós” (Gn 22.5; Hb 11.17-19). [Comentário: Por que Deus pediu a Abraão que sacrificasse seu filho, tendo o próprio Deus condenado o sacrifício humano em Levítico 18 e 20? Esse foi um pedido impressionante porque Isaque era o seu filho da promessa. Como Abraão respondeu? Com obediência imediata; na manhã seguinte, Abraão começou a sua jornada com dois servos, um jumento, seu amado filho Isaque e com a lenha para o holocausto. Sua obediência inquestionável ao comando aparentemente confuso de Deus deu a Deus a glória que Ele merece e nos deixou um exemplo de como devemos glorificá-lO. Abraão confiou no amor e no poder de Deus de tal maneira que voluntariamente obedeceu, crendo que o Senhor ressuscitaria Isaque dentre os mortos (Hb 11.17-19). Isto está implícito no fato de que, embora Abraão pretendesse matar Isaque, ele disse aos seus servos: “eu e o rapaz [nós] iremos até lá e, havendo adorado, voltaremos para junto de vós” (Gn 22.5), e de fato, Deus não estava interessado em que Abraão viesse de fato a matar o seu filho, nem era esse o seu plano. O fato de o anjo do Senhor ter impedido que Abraão matasse Isaque (Gn 22.12) revela isso. O propósito de Deus foi provar a fé de Abraão, com o pedido de que entregasse completamente aquele seu único filho a Deus. O anjo do Senhor declarou que era a disposição de Abraão de entregar o seu filho, e não o ato de realmente matá-lo que satisfez as expectativas de Deus com respeito a Abraão. Deus disse explicitamente: “Não estendas a mão sobre o rapaz… pois agora sei que temes a Deus, porquanto não me negaste o filho, o teu único filho” (Gn 22.12). ]
2. O encontro de Isaque com Deus. Não há dúvida de que o Senhor queria provar a fé do patriarca. Todavia, era sua intenção também levar o jovem Isaque a um encontro pessoal e fortemente experimental com o Deus de seu pai. A primeira lição que Isaque aprende é que Deus proverá todas as coisas (Gn 22.8). Por isso, deita-se e deixa-se amarrar pelo pai ao altar do holocausto (Gn 22.9). No momento certo, o Senhor haveria de intervir, como de fato interveio. Deus tinha planos para Isaque, e mostraria ao jovem que Ele cumpre suas promessas. O Deus de Abraão seria também o Deus de Isaque. [Comentário: No caminho para Moriá(3), Isaque pergunta: Meu pai, eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? Abraão responde-lhe: “Deus proverá”. Chegaram ao local determinado e prepararam o altar, então Abraão contou a Isaque todas as coisas e o amarrou para ser sacrificado e ao levantar o cutelo para imolá-lo, Deus impediu Abraão de sacrificar Isaque e providenciou um cordeiro para isso. Isaque, o filho da promessa, agiu em obediência ao seu pai em se tornar o sacrifício (v.9); Jesus orou: “Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade” (Mt 26.37) - Isaque é “padrão”, “ilustração”, “exemplo” ou “tipo”. de Cristo - o padrão do sacrifício de Isaque por Abraão prefigura muitos eventos que espelham a morte e a ressurreição de Jesus.]
(3)Acredita-se que o monte Moriá seja a mesma colina em Jerusalém onde Salomão construiu a casa do Senhor; onde Deus apareceu a Davi, pai de Salomão; Davi preparou a eira (o lugar) que pertenceu a Araúna, o jebuseu, para a construção do Templo do Senhor por seu filho, segundo prometeu. Atualmente, é o local onde está a Mesquita de Omar, sobre a Cúpula da Rocha, de onde os muçulmanos acreditam teria sido o lugar de partida da Al Miraaj (viagem aos céus realizada pelo profeta Maomé) e permanece hoje como um templo da fé islâmica.

SÍNTESE DO TÓPICO (II)
Isaque tornou-se o bem mais precioso de seus pais. Somente Deus deve ter a primazia em nossos corações.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
“Isaque
O nome dado por Deus antes do nascimento da criança (Gn 17.19) significa ‘ele ri’, ‘aquele que ri’, ou simplesmente ‘riso’. Nada é conhecido sobre os dias da infância de Isaque. Em seguida, vemo-lo grande e forte o suficiente para carregar a madeira para o fogo do altar subindo a montanha, não sabendo que ele mesmo seria colocado no altar. A experiência de ter sido amarrado como uma vítima de sacrifício e então liberto pela intervenção divina deve ter afetado profundamente toda a sua vida” (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2006, p.989).

III. O CASAMENTO DE ISAQUE
Se Isaque quisesse, poderia ter se casado com uma das jovens daquela terra. Entretanto, ele sabia que as cananeias eram idólatras e dadas ao pecado. Por isso, resolveu confiar no Deus que tudo provê.
1. Uma esposa para Isaque. Sabendo que Isaque era um homem espiritual e seletivo, Abraão encarregou seu mais antigo servo para buscar uma esposa na Mesopotâmia para seu filho (Gn 24.1-7). Na cidade de Naor, o mordomo orou ao Eterno: “Seja, pois, que a donzela a quem eu disser: abaixa agora o teu cântaro para que eu beba; e ela disser: Bebe, e também darei de beber aos teus camelos, esta seja a quem designaste ao teu servo Isaque” (Gn 24.14). A moça que assim procedesse revelaria as seguintes virtudes: espiritualidade, gentileza, respeito, disposição e amor ao trabalho. Eis que aparece Rebeca, bela e formosa virgem, preenchendo todos esses requisitos. [Comentário: Nos dias do Antigo Testamento, o casamento era negociado pelos pais dos noivos. O homem que desejasse uma esposa tinha de comprá-Ia, e o preço estabelecido, de acordo com o que se lê na Bíblia (Dt 22.29), era de cinquenta siclos de prata, cujo pagamento poderia ser feito em camelos, ovelhas ou em dinheiro. Esse pagamento era chamado "mon­har". Se o casamento fosse pacífico, não era tratado diretamente pelo noivo nem pela noiva. Os intermediários no trato do consórcio eram os amigos do noivo. O contato dos intermediários com a família da noiva exigia que estes "levassem presentes para a noiva e não podiam ir de mãos vazias. A noiva não tinha a menor interferência nas negociações de seu casamento com o noivo. Não tinha o direito de recusar o homem que lhe escolhessem para marido. [...]No contrato de casamento não estava a ação de qualquer mulher, nem mesmo da mãe da noiva. Todos os assuntos relacionados com o enlace eram realizados pelo pai da noiva e, na falta deste, pelo irmão mais velho; na falta do irmão, um amigo de confiança ou mesmo um servidor da casa poderia ser o intermediário. Em Gênesis 24, aparece Abraão dando instruções ao seu servo para procurar uma esposa para Isaque. O próprio Isaque desempenhou papel secundário. Convém lembrar que os casamentos desses dias distantes deviam realizar-se entre pessoas da mesma tribo; não se admitiam casamentos com estrangeiros (portanto, Isaque não poderia ter se casado com uma das jovens daquela terra). [...] A esposa era levada ao esposo coberta com um véu (Gn 24.65; 29.25). Enfeitada para o esposo, tendo um cinturão próprio do casamento (Jr 2.32), ela aguardava o esposo no quarto das mulheres, o tálamo nupcial (JI 2.16). Em grego, os noivos recebem o nome de "nymphios". Conde, Emílio, 1901-1971 - Tesouro de conhecimentos bíblicos / Emílio Conde. - 2' ed. ­Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de DEUS, 1983. Note o leitor que a oração do servo de Abraão, Eliezer, quando já se encontrava nos arredores da cidade de Naor, foi uma oração de quem estava necessitando da ajuda de Deus. Era uma oração onde ele não pedia que o Senhor mostrasse a ele uma mulher perfeita, bonita mas uma mulher que fosse piedosa e que Ele (Deus) estivesse preparando para Isaque, filho do seu senhor Abraão. Esta é a oração que deveríamos fazer em favor de nossos filhos. Que o Senhor coloque na vida deles pessoas crentes, piedosas, bondosas, compassivas, fiéis e de beleza interior sem igual. Que os atributos de uma mulher ou de um homem de Deus, encontrados em 1 Pedro 3.3-4, façam parte da vida daqueles que almejamos para nossos filhos... "O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de jóias de ouro, na compostura dos vestidos; Mas o homem encoberto no coração; no incorruptível traje de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus."]
2. O casamento de Isaque. Tendo consultado sua família e recebido o consentimento desta, Rebeca acompanha Eliezer até chegarem onde Isaque morava. O encontro de Isaque com Rebeca foi singular e romântico. Ele saíra a orar, à tarde, quando avistou a jovem na feliz comitiva. Depois de ouvir o servo do pai, ele a conduz à tenda da mãe e a toma por esposa (Gn 24.67). Assim Isaque foi consolado da perda de sua mãe, Sara. [Comentário: Por causa da forte influência tribal e da unidade do clã na sociedade patriarcal, os pais consideravam seu dever e prerrogativa assegurar esposas para seus filhos (Gn 24.3; 38.6). Normalmente, a noiva em perspectiva, assim como o noivo, simplesmente concordava com os arranjos feitos de acordo com os interesses da família e da lealdade à tribo. Não é de admirar que muitas vezes os pais procurassem o casamento entre primos em primeiro grau, como por exemplo, no caso de Rebeca e Isaque. O casamento com mulheres estrangeiras era desaconselhado (Gn 24.3; 26.34,35; 27 .46; 8.8) e mais tarde foi totalmente proibido (Ex 34.16; Dt 7.3; Ed 10.2,3,10,11) pelo perigo de uma volta à prática da idolatria das demais nações. Casamentos mistos eram tolerados apenas no caso dos exilados (por exemplo, José, Gn 41.45; Moisés, Ex 2.21) e dos reis apenas por razões políticas. Por outro lado, havia em Israel a oportunidade para casamentos baseados no namoro. O jovem podia declarar a sua preferência (Gn 34.4; Jz 14.2). Por exemplo, Mical se apaixonou por Davi (1 Sm 18.20). Na época do AT as mulheres não eram mantidas como reclusas, como nos países muçulmanos, e podiam sair às ruas com o rosto descoberto (cf. 1 Sm 1.13). Elas cuidavam das ovelhas (Gn 29.6; Ex 2.16), carregavam água (Gn 24.13; 1 Sm 9.11), colhiam nos campos (Rt 2.3) e visitavam outros lares (Gn 34.1). Dessa maneira., os jovens tinham a liberdade de procurar a futura noiva sozinhos. [...]A essência da cerimônia do casamento ou das festividades era o ato de retirar a noiva da casa do pai e trazê-la para a casa do noivo ou de seu pai. Dessa forma, havia uma verdade literal na expressão hebraica "tomar" uma esposa (por exemplo, Gn 4.19; 12.19; 24.67;38.2; Nm 12.1; 1 Sm 25.39-42; 1 Rs 3.1; 1 Cr 2.21)..Dicionário Bíblico Wycliff – Charles F. Pfiffer, Howard F. Vos, John Rea.. Também é importante frisar que, o casamento de Isaque e Rebeca não foi simplesmente terem tido relações na tenda, sem nenhuma formalidade, como fica evidenciado em uma leitura rápida do texto fora do contexto. Explico: Já foi explicado acima que naquela época os casamentos eram geralmente arranjados pelos pais e por vezes se usava a figura de um representante legal. Aliás, até hoje, é possível casar por procuração. O servo-procurador foi, orando para que Deus mostrasse quem seria a esposa para Isaque (Gn 24.12-14). Quando ficou claro que era Rebeca, o servo-procurador lhe entregou presentes, que já apontavam para um pedido oficial de casamento (como alianças de noivado, por exemplo), e pediu para conhecer a família dela (Gn 24.22-26). A família era composta da mãe e do irmão Labão, que era o patriarca da família (o pai havia morrido), o que naquela época significava aquele que fazia o papel do líder religioso e civil. É só verificar o episódio mais adiante, em que ela casa as suas duas filhas, Lia e Raquel, com Jacó (Gn 29). Voltando ao relato... Diante da mãe e do irmão de Rebeca, o servo-procurador fez a proposta de casamento, repetindo a missão que lhe fora dada: achar uma esposa para Isaque (Gn 24.28-49). Houve a permissão da mãe e do irmão (Gn 24.50-51) e em seguida perguntaram a Rebeca: “queres ir com este homem?”, ao que ela respondeu “irei” (Gn 24.57-58) – algo bastante parecido com “você aceita este homem como seu legítimo esposo?” – “sim, aceito”. E não faltou nem bênção: Labão, como patriarca da família, abençoou Rebeca na saída (Gn 24.60 – a frase “és nossa irmã” sugere que foi Labão quem deu esta bênção). Augustus Nicodemus Lopes , http://tempora-mores.blogspot.com.br/2013/10/isaque-e-rebeca-base-para-viver-juntos.html.]
3. Os filhos que não vinham. Rebeca também era estéril. Isaque, todavia, ao invés de arranjar um herdeiro através de um ventre escravo, como haviam feito seus pais, foi buscar a ajuda de Deus. Ele orou insistentemente ao Senhor por sua mulher (Gn 25.21). Isaque se casou com Rebeca quando tinha quarenta anos (Gn 25.20), e foi pai aos sessenta anos (Gn 25.26). Pela Palavra de Deus, entendemos que Isaque orou por vinte anos, até ter sua oração respondida. Ele era um homem de oração, e não se deixou abater pelo passar do tempo, pois tinha uma promessa de Deus para sua família. E Deus lhe deu dois filhos: Esaú e Jacó. [Comentário: O casamento de Isaque e Rebeca continuava sendo dirigido por Deus. Diante da esterilidade de Rebeca, que era um obstáculo ao desenvolvimento da família da aliança, Isaque se colocou diante de Deus em oração por sua esposa. Essa atitude não apenas demonstra sua fé em Deus, como também seu amor por sua esposa (Gn 25.21). O resultado disto foi que Deus os abençoou, ouvindo e atendendo essa oração. Rebeca, então, concebeu. Era preciso exercitar a fé na promessa e a ferramenta utilizada por Deus para isso foi mais uma vez a esterilidade! Rebeca foi estéril por cerca de vinte anos. Isso deu a Isaque a oportunidade de mostrar a sua fé na promessa de Deus a Abraão, de abençoar todas as famílias da terra por meio de um descendente seu que ainda não havia nascido (Gn 12.3).]

SÍNTESE DO TÓPICO (III)
Deus, ouviu o clamor do servo de Abraão e providenciou uma noiva para Isaque.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Professor, procure enfatizar as características de Isaque. Mostre que a sua mansidão “é vista em sua submissão sem resistência a seu pai ao tornar-se o sacrifício sobre o altar de Moriá, e em sua recusa a discutir quando os pastores de Gerar reivindicavam os poços. Ele possuía uma natureza afetuosa, profundamente ligado à mãe, chorando por sua morte, e sendo depois confortado em seu amor por Rebeca. Seu espírito mediador pode ter contribuído para seu afeto expansivo. Ele era um homem que vivia em contato com Deus. Embora não tenha as visitações dramáticas que foram concedidas ao seu pai, Abraão, Isaque obedeceu aos mandamentos de Deus. O altar, a tenda e o poço simbolizavam os principais interesses de sua vida” (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2006, p.990).

IV. ISAQUE, O BENDITO DO SENHOR
Desde a sua experiência no Moriá, Isaque fez-se ousadíssimo na fé. As bênçãos sobre a sua vida multiplicaram-se de tal forma, que ele já era visto pelos reis de Canaã como um príncipe de Deus.
1. Príncipe de Deus. Embora não fosse rei, Isaque tornou-se tão grande que chegou a incomodar até mesmo o poderoso Abimeleque, rei de Gerar (Gn 26.16). Este, vendo que o patriarca já lhe era superior em bens e força, pediu-lhe uma aliança chamando-o de “bendito do Senhor” (Gn 26.29). Naquela época, tal título equivalia a ser chamado de príncipe de Deus. [Comentário:As Bênçãos de Deus são tão evidentes sobre Isaque, o sucessor escolhido para as promessas de Deus, como fora sobre seu pai Abraão (Gn 21.22), assim, tornou-se muito rico (poderoso): “Isaque semeou naquela terra, e no mesmo ano colheu o cêntuplo; e o Senhor o abençoou. E engrandeceu-se o homem; e foi-se enriquecendo até que se tornou mui poderoso; e tinha possessões de rebanhos e de gado, e muita gente de serviço; de modo que os filisteus o invejavam” (Gn 26.12-14). Ao fixar-se naquela terra e por ser um homem abençoado por Deus, agraciado com muitos animais e com muita gente de serviço, Isaque despertou grande inveja nos filisteus, que se voltariam contra ele em forma de retaliação. Seus inimigos começaram a entulhar os poços de água, anteriormente construídos pelo seu pai Abraão. Diante daquela situação conflituosa, o Rei dos filisteus, Abimeleque, pediu que Isaque saísse do meio deles, pois achava que o centro da contenda fosse Isaque e sua gente. Que lição maravilhosa para nós. Não o fato de ter enriquecido, mas o fato de ser, Isaque, um pacificador! Mateus 5.9: “Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus”. Estamos diante de uma qualidade imprescindível para aquele que quer fazer parte do reino. O integrante do reino deve ser um "pacificador". Esta palavra vem do grego "eirhnopoiov" – eirenopoios (esta palavra é uma derivação de "eirhnh" (eirene) – "paz") e tem como significado "promotor da paz". Não significa somente fugir de discórdias e contendas, mas também detectar o foco delas e jogar água, pacificando irmãos em disputas, criando um clima de amizade e união no meio do povo de Deus. É verdade que há situações onde a pacificação não depende somente de nós. Podemos ser "agraciados" com um inimigo gratuito, que nos odeia sem causa! Porém, o apóstolo Paulo é claro: "... se depender de vós, tende paz..." (Rm 12.18). Observe que Paulo não fala somente da paz entre os irmãos, mas também da paz com "todos os homens", ou seja, estão envolvidos também aqui, aqueles que não são convertidos, no meio dos quais precisamos ser promotores da paz. O escritor aos Hebreus assevera que a paz deve ser "perseguida" a qualquer custo (Hb 12.14). O verbo "seguir" é o termo grego "diwkw" – dioko, que quer dizer "correr rapidamente para pegar uma pessoa ou coisa", "buscar avidamente". Devemos buscar a paz a qualquer custo! Procurar avidamente por ela! Note que a palavra paz é colocada junto com a palavra santificação, onde o autor nos diz que "... sem a santificação ninguém verá o Senhor". Não é isso sugestivo a nós? Sejamos pacificadores, promotores de paz não somente na igreja, mas também no meio em que vivemos!]
2. Profeta de Deus. A bênção de Isaque impetrada sobre os gêmeos, antecipa profeticamente o destino de cada um deles. Mesmo Jacó havendo-o enganado, fingindo ser Esaú a fim de roubar a primogenitura do irmão, o patriarca não pôde anulá-la, pois suas palavras eram, na verdade, de Deus. Por isso, diante dos rogos de Esaú, foi categórico: “Eis que o tenho posto por senhor sobre ti, e todos os seus irmãos lhe tenho dado por servos; e de trigo e de mosto o tenho fortalecido; que te farei, pois, agora a ti, meu filho?” (Gn 27.37). Naquele momento, Isaque profetizou não acerca de Jacó e Esaú, mas dos povos que estes representavam. [Comentário: A primogenitura era ritual e estatuto em Israel, o filho mais velho recebia herança em dobro dos bens de seu pai, além de ser o herdeiro do título do pai e, o mais importante, o sucessor do pai no sacerdócio familiar. Isto incluiu a herança da terra, assim como a autoridade para seguir com as bênçãos Divinas. O primogênito dos rebanhos e de famílias humanas era considerado como pertencendo ao Senhor, e esperado que lhe fosse dedicado. Esaú perdeu seu direito de primogenitura para seu irmão Jacó por causa de uma refeição de lentilhas, isso aponta para o caráter dele, note que somente em dois lugares nas Escrituras um homem é chamado um caçador, (Tzayid): o primeiro homem intitulado como caçador, para identificar o seu caráter foi Nimrode; o outro é Esaú; quando a Bíblia o usa a palavra Tzayid é sempre em sentido negativo. Note, ainda, o seguinte: A palavra Hebraica para a benção (brachah – lê-se brarrá) carrega a mesma raiz Hebraica da palavra que significa primogenitura e primogênito (bekorah), assim, de fato, Jacó não roubou a bênção que cabia ao seu irmão mais velho. Deus usou seus servos, geralmente profetas, no passado, para transmitir sua mensagem de bênção ou maldição; o Senhor separou a tribo de Levi para abençoar em Seu nome (Dt 10.8) e deu-lhes as palavras exatas, que consistem em desejar que o Senhor lhes seja propício (Nm 6.23-27). A bênção de Isaque, neste caso, só teria valor se procedesse de Deus. Mesmo no caso de seu pai Abraão, Deus prometeu: "abençoarei os que te abençoarem (te desejarem o bem) e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem (te desejarem o mal) ..." (Gn 12.3): nunca "abençoarei os que abençoares". O Pr Ciro Sanches Zibordi escreve em sua obra Erros que os Pregadores devem Evitar – CPAD: “Você já percebeu como a expressão "Deus te abençoe" está caindo em desuso? É comum ouvir crentes dizendo: "Eu te abençôo, meu irmão". Antigamente, os pais respondiam aos filhos: "Deus te abençoe, meu filho". Hoje, orientados por alguns "mestres", dizem: "Eu te abençôo". E muitos sequer acrescentam o complemento "em nome de Jesus". O que é bênção? A luz da Bíblia Sagrada, é algo que somente Deus pode dar! Não há nenhum ser humano capaz de conferir bênçãos diretamente às pessoas! E o Senhor nunca teve interesse em transferir isso aos pregadores, pois eles certamente se ensoberbeceriam. Sem conseguir abençoar alguém, de fato, os homens já se vangloriam (Mt 7.22)! Já pensou se houvesse algum "apóstolo" ou "missionário" dessa última hora capaz de entregar bênçãos diretamente ao povo? O pior é que alguns pensam que fazem isso. Todas as bênçãos vêm dEle (Tg 1.17). É o Senhor quem nos abençoa com as bênçãos espirituais, nos lugares celestiais (Ef  1.3). Contudo, muitos pregadores parecem se considerar deuses. Determinam e profetizam vitória na hora que querem e não se constrangem em "abençoar" as pessoas!”]

SÍNTESE DO TÓPICO (IV)
Isaque foi o filho bendito de Abraão. Deus era com ele e o abençoou sobremaneira.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Professor, enfatize as caracteristicas de Isaque e as lições de vida que aprendemos com Ele. Mostre aos alunos que Isaque demonstrou ser um filho obediente, um homem paciente e um marido cuidadoso. Observe algumas das lições que aprendemos com o filho da promessa, Isaque. Se desejar, leia para os alunos e discuta com eles cada lição:
A paciência sempre produz recompensas;
As promessas e os planos de Deus são maiores que os das pessoas.
Deus sempre cumpre suas promessas! Ele permanece fiel embora nossa fé seja pequena.
Exercer favoritismo certamente produz conflitos familiares” (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. RJ: CPAD, 2005, p.35).

CONCLUSÃO
A história de Isaque não é uma simples biografia. É um relato de fé e de superações no campo pessoal, doméstico e nacional. Do monte Moriá, onde se encontrou pessoal e experimentalmente com Deus, até a sua morte, ele viveu como um príncipe de Deus. Portanto, não se deixe abater pelas provações. Exerça a sua fé no campo das impossibilidades. [Comentário: Na vida de Isaque temos a base do ensino do Novo Testamento sobre a Expiação, a oferta do sacrifício do Senhor Jesus na cruz pelo pecado da humanidade. Mesmo assim, não foi isento de defeitos. De fato, Isaque foi um herói da fé, porém, as Escrituras Sagradas tanto mostram os exemplos de fidelidade dos personagens bíblicos, como também seus pecados. A seguir, como conclusão desta lição e para ser honesto com o conteúdo bíblico, isto é, não falando apenas dos acertos, mas mostrando também os erros, transcrevo um artigo de autoria do Pr Paulo Rogério Petrizi, Líder da Igreja Batista Vida Nova, na cidade de Campinas-SP, publicado no site Prega a Palavra: “E Isaque cometeu pelo menos três erros em relação a sua esposa e família que estão registrados na Palavra para nos servirem de alerta. Em Gênesis 26.1-11, houve um período de seca e fome em toda Canaã. Seria natural que Isaque e sua família fossem para o Egito, porém foi Deus quem impediu Isaque de seguir naquela rota (pois no passado Abrão foi ao Egito e também cometeu erros lamentáveis). Ao mesmo tempo em que mandou Isaque desistir de ir buscar abrigo no Egito, o Senhor lhe fez uma promessa muito clara: Eu estarei com você e o abençoarei. (Gn 26.3). Eis aqui uma lição para nós: o melhor lugar para estarmos com nossos familiares é onde o Senhor nos coloca e abençoa. Nenhum lugar da Terra é mais seguro do que sob a bênção de Deus. Em Gerar, território filisteu, Isaque buscou abrigo junto ao rei Abimeleque. Foi ali que cometeu pelo menos três erros:
1º. O pecado de não confiar em Deus. Foi tão clara a promessa do Senhor: Estarei com você e o abençoarei. Ainda assim Isaque não confiou o suficiente. Teve medo de morrer assassinado em face de sua esposa ser uma mulher muito bonita. Daí, mandou que ela mentisse e dissesse que era sua irmã.  Honramos ao nosso Deus e Pai quando nEle confiamos. Há inúmeros textos nas Escrituras que nos conclamam a confiarmos no nosso Deus. Um deles, o Salmo 62.8: Confie nele em todos os momentos, ó povo; derrame diante dele o coração, pois Ele é o nosso refúgio.
Como marido, cabeça de sua família, mantenha uma fé fervorosa em Deus. Confie nEle sempre.

2º. O pecado de mentir.  Isaque mentiu vergonhosamente, algo que um homem de Deus jamais deveria consentir-se fazer. E sua mentira lhe custou muita vergonha quando foi desmascarado pelo rei filisteu. Aliás, até hoje o patriarca é lembrado pela mentira que contou. Foi o Senhor Jesus quem afirmou que o Diabo é "pai da mentira". Aliás, a mentira é o único "filho" do Diabo. Por isso o Senhor Deus tem um sério problema com a mentira - a tal ponto de excluir do ambiente celestial todos os mentirosos (cf. Ap 21.8).
Como marido, seja fiel e verdadeiro. Fale sempre a verdade e conserve seu lar livre da mentira, cuidando para que seus filhos aprendam desde cedo este Princípio.

3º. O pecado do egoísmo. O rei de Gerar, Abimeleque, ao confrontar Isaque com seu pecado, advertiu-o das consequências que Rebeca poderia ter sofrido. Ou seja, Isaque pensou mais nele do que na esposa e com a finalidade de proteger-se, expôs sua mulher a ser cortejada por ímpios. O amor que aprendemos com Jesus é sacrificial, conforme expôs Paulo em Efésios 5.25. O marido deve amar sua esposa como Cristo amou a Igreja, dando sua vida por ela. Um marido aprovado por Deus não pode ser egoísta, mas sim altruísta.
Como marido, ame sua esposa e seus filhos e demonstre este amor com honra, afeto, zelo, atenção, dedicação, esforço e paciência.

O propósito desta narrativa nas Escrituras é nos servir de alerta. Por favor, aprenda com os erros que Isaque cometeu e não incorra neles. Confie sempre em Deus. Fale somente a verdade. Ame com amor sacrificial” http://paulopetrizi.blogspot.com.br/2012/10/os-tres-erros-que-o-patriarca-cometeu.html.]“NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Dezembro de 2015

PARA REFLETIR
A respeito do livro de Gênesis:
O que representou Isaque para Abraão?
Representou o cumprimento da promessa divina.
O que significou o Moriá para Isaque?
Significou a oportunidade de ter um encontro pessoal e fortemente experimental com o Deus de seu pai.
Quais as principais qualidades de Rebeca?
Espiritualidade, gentileza, disposição e amor ao trabalho.
O que fez Isaque em relação à esterilidade da esposa?
Ele orou e buscou a ajuda de Deus.
Em que sentido Isaque foi profeta?
Ao impetrar a bênção sobre seus filhos.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

Isaque, o sorriso de uma promessa
O nascimento de Isaque é a confirmação da promessa feita por Deus a Abraão, onde a descendência prometida viria do útero de uma mulher estéril, de sua esposa Sara. Embora a história de Isaque e de Jacó fosse contada simultaneamente, pois o relato de Jacó é contado dentro da história de Isaque (25.19-35.29), as promessas de Deus feitas a Abraão são repetidas a Isaque (26.3-5), como também para Jacó (28.13-15).
Igualmente, como aconteceu com Sara, o Senhor abriu a madre da mulher de Isaque, Rebeca, conforme está escrito: “E Isaque orou instantemente ao SENHOR por sua mulher, porquanto era estéril; e o SENHOR ouviu as suas orações, e Rebeca, sua mulher, concebeu” (Gn 25.21). Rebeca, não concebeu apenas uma vida, mas duas nações.
No capítulo 26, Isaque repetiu o fracasso de seu pai, Abraão, mentindo sobre a sua esposa (26.6,7), pois ao invés de afirmar ser Rebeca a sua esposa, ele disse a Abimeleque que ela era a sua irmã. Entretanto, Deus interviu na história para proteger a descendência do Seu povo e garantir o cumprimento da promessa feita a Abraão, o seu amigo (Gn 26.11,12).
Isaque era o “bem” mais precioso de Abraão. Foi com esse “bem” que o Senhor provou a fé de Abraão. Isaque foi exemplarmente obediente ao seu pai, e não questionou o fato de ser a “oferta” para o sacrifício apresentado por seu pai a Deus.
O convívio com Abraão, seu pai, ensinou Isaque a se relacionar com Deus. Sabendo quem é Deus e o quão importante é viver uma vida que o honre, Isaque foi forjado “aos pés de Abraão”, pois ele daria prosseguimento à promessa: conquistar a terra de Canaã.
Perceba que, até aqui, Abraão e Isaque representam aquela fase nômade do povo de Israel. Esse povo não tinha terra, não tinha casa e não tinha raízes. Viver é o grande desafio diário. Entrava numa terra, se estabelecia nela e, logo depois, saía, iniciando esse mesmo ciclo em outro lugar. Mas, em Isaque, esta realidade começa a ser quebrada.
Ele é o filho da promessa. É o filho da livre e não da escrava. Com essa imagem, o apóstolo Paulo fundamentou a doutrina da Graça de Deus: “Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da livre. [...] Mas a Jerusalém que é de cima é livre, a qual é mãe de todos nós; porque está escrito: Alegra-te, estéril, que não dás à luz, esforça-te e clama, tu que não estás de parto; porque os filhos da solitária são mais do que os da que tem marido. Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa, como Isaque” (Gl 4.22,26-28).

Nenhum comentário:

Postar um comentário